Não te curto mais.

É isso mesmo. Não te curto mais. Como o nosso relacionamento já está desgastado há algum tempo, esse post não vai ser uma surpresa.

Adriana Abraham

É isso mesmo. Não te curto mais. Como o nosso relacionamento já está desgastado há algum tempo, esse post não vai ser uma surpresa. Sou do tempo em que se escreviam cartas quando faltava coragem nos momentos de decisão. O frio na barriga ao ver o nome do remetente. Essa coisa de postagem é muito prática, mas não surte o mesmo efeito. Por exemplo, já tentou bater o telefone na cara de alguém com o celular? Ridículo, não é?

A verdade é que a rotina desgastou o que não houve entre nós. Isso mesmo. Nunca houve algo real entre nós. Talvez um interesse temporário motivado pelas nossas diferenças. Uma mulher low profile e um bon vivant. Se tivéssemos publicado o status do nosso relacionamento ele seria “em um relacionamento instável”. O que eu vi em você? E aquela mania de sugerir que eu fizesse novas amizades? Era irritante. Qual o problema em ter poucos amigos? Pelo menos eu sabia que tinha vínculos afetivos reais com as pessoas do meu grupo restrito.

Tá bom, confesso que no início tudo era novidade. Eu me sentia tão validada. Você sempre perguntava o que eu estava pensando ou sobre os meus sentimentos. Como você adivinhava as minhas preferências tão perfeitamente? Enfim, um romance que tinha tudo para dar certo. Só que não deu. Cansei, sei lá. Fique sabendo que tem outros bem mais interessantes que você. Manter a nossa relação só para ser lembrada de todos os aniversários dos meus conhecidos não é digno. Não posso fazer isso com você.

Eu sei que as palavras parecem muito duras, mas provavelmente você não vai nem se dar conta da minha ausência. Só fui mais uma a ser atraída para sua rede. Afinal, quantas pessoas sabiam que mantínhamos uma relação? Acho que por volta de umas 150… 200, não lembro. Do seu lado são bem mais pessoas, eu sei. Vamos confessar que da sua extensa lista você tem contato próximo com no máximo uns 20… 30, ok? Não adianta tentar me enganar.

Há, tem mais uma coisa. Eu não vou sentir falta daquela sua mania de pedir fotos recentes minhas. O que era isso? Agora a minha imagem vai ficar só na sua lembrança. Afinal, quem não valoriza o contato acaba deletado.

Quem sabe conseguimos ficar amigos agora que não vou mais aparecer no seu story. Pensando bem, eu podia te administrar. Te manter na reserva para alguma emergência. Você tem essa coisa boa de estar sempre me informando sobre o que está acontecendo ao meu redor. Isso é mágico. Nem quando alcanço o mais profundo estado de meditação consigo receber esses insights. Será que consigo ficar muito tempo desconectada de você?

Melhor terminar por aqui senão acabo mudando de ideia. A única coisa que tenho certeza é que o que vivemos juntos jamais será apagado. A nossa conexão foi muito especial. Agora cabe a cada um seguir seu caminho. Sem mágoas. Saiba que mesmo que eu venha a me relacionar com outro, aprendi muito com você. Tanto que vou compartilhar esse momento com todos. Sem restrição.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Adriana Abraham
Advogada e escritora, com cursos nas áreas de yoga e meditação. Carioca, residindo atualmente em Brasília.