Não é o que acontece com você, é como você reage ao que acontece com você. Veja como recuperar o controle

"Palavras podem transmitir adequadamente o incrível impacto de nossa atitude perante a vida. Quanto mais eu vivo, mais estou convencido de que a vida é 10% do que acontece conosco e 90% da maneira como reagimos a ela."

Por DR. CÉSAR LOZANO

Aqueles que ouvem meu programa de rádio estão familiarizados com a frase “Não é o que acontece comigo, mas como eu reajo ao que acontece comigo”, que é o meu toque pessoal no final de cada transmissão.

Desde o primeiro dia, quando eu estava na frente do microfone de rádio, eu queria dar uma mensagem final para reafirmar o que sempre acreditei e que Charles Swindoll escreveu como resultado de várias investigações:

“Palavras podem transmitir adequadamente o incrível impacto de nossa atitude perante a vida. Quanto mais eu vivo, mais estou convencido de que a vida é 10% do que acontece conosco e 90% da maneira como reagimos a ela.”

A isso acrescento a mensagem que me deixou um dos melhores livros que li em minha vida, “Em busca de sentido”, escrito pelo Dr. Victor Frankl.

O Dr. Frankl era psiquiatra, judeu e, durante a Segunda Guerra Mundial, foi prisioneiro em um campo de concentração do exército nazista. Lá ele viveu experiências terríveis que ele descreveu em seu livro. Seus pais, seu irmão e sua esposa morreram no campo ou na câmara de gás; sua irmã e ele sobreviveram, mas sofreram incontáveis torturas. Diariamente ele pensava se morreria ou ficaria vivo, porque a qualquer momento seus captores poderiam mandá-lo para a câmara de gás.

Um dia, sem roupas e sozinho em seu quarto, Frankl descobriu o que mais tarde chamaria de “a último das liberdades humanas”, a única coisa que os nazistas não podiam tirar dele. Enquanto eles controlavam seu ambiente e podiam fazer qualquer coisa com seu corpo, eles não podiam tirar sua identidade interior, que era a sua liberdade final. Então, ele se viu como um ser humano autoconsciente, com a capacidade de observar sua situação. Ele ainda podia decidir como as ações dos nazistas o afetavam internamente e ele descobriu a barreira entre o que aconteceu e sua reação a esse estímulo, para que ele pudesse escolher livremente como responder.

Frankl, então, enfrentou a realidade de que suas próprias decisões. Não eram mais as circunstâncias que definiam sua identidade. Não importava o quão horrível fosse o ambiente ao seu redor, não importava quanta humilhação e degradação outras pessoas o fizessem passar, ele ainda tinha controle sobre qual era sua resposta. Você não acha que pode aplicar isso às adversidades que enfrenta durante a sua vida?

Nos desgastamos com incontáveis coisas, boas e ruins: ausência de pessoas que amamos, humilhações e decepções que podem nos marcar de tal maneira que influenciarão negativamente nosso futuro. Mas conhecer tantas histórias de pessoas que conseguiram controlar sua maneira de reagir ao que aconteceu com elas, mostra que é possível escolher se essas experiências nos definem ou não.

Não há nenhum evento que possa nos mudar por dentro, a menos que alguém decida ou permita. Não há pessoas que possam fazer com que você responda de uma maneira particular, a menos que você escolha reagir dessa maneira.

Somos livres para forjar nossas próprias opiniões, ideias, atitudes e decisões, e isso é apenas em cada um de nós.

Se por algum motivo você estiver sofrendo, você pode decidir como reagir ao que acontece com você. Você pode, se quiser, sentir hoje inveja, raiva, hostilidade, medo, culpa, preocupação, vergonha ou ressentimento. Tudo isso você pode sentirPor outro lado, você também pode sentir tranquilidade, esperança, fé, amor, alegria e outros sentimentos que lhe dão estabilidade, se você preferir pensar de maneira otimista e positiva.

Estou plenamente convencido de que o que me afeta não é o que acontece comigo, mas como reajo ao que acontece comigo. Eu desejo que você tenha esta frase em mente todos os dias da sua vida e faça dela uma realidade; que você analise como se sente neste momento, que não esquece que seus sentimentos estão intimamente ligados a seus pensamentos e que isso é – e sempre será – uma decisão pessoal de escolher o que você pensa.

Coragem e até a próxima!

***

Acompanhe o autor também no Facebook

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.