Quando o conflito armado é um modo de vida, uma solução duradoura pode parecer fora de alcance. E ainda, embora pequenos atos de coragem pessoal possam não moldar o resultado final, há algumas pessoas em ambos os lados que continuam buscando a paz mesmo assim.

A professora de jardim de infância israelense e mãe de três filhos, Idit Harel Segal, queria fazer algo significativo em seu aniversário de 50 anos. Em vez de receber um presente, ela escolheu dar um.

Em memória de seu falecido avô, Segal decidiu doar um rim. O presente salvador que Segal ofereceu não só se alinha com sua fé judaica, mas também foi sua maneira de estender um ramo de oliveira, porque o destinatário do rim era um menino palestino de 3 anos da Faixa de Gaza.

Embora haja restrições rígidas que limitam o número de autorizações de entrada, a organização não governamental Matnat Chaim, com sede em Jerusalém, conseguiu providenciar o procedimento cirúrgico por motivos humanitários. (Para colocar o menino no topo da lista de doadores em Gaza, seu pai também concordou em doar um rim para uma paciente israelense, uma mãe de dois filhos, de 25 anos.)

Com todas as peças no lugar, a cirurgia foi agendada para 16 de junho de 2021, mas antes de acontecer, Segal queria ter certeza de que o menino saberia o quanto dar este presente particular significava para ela quando crescesse, então ela enviou-lhe uma carta.

“Você não me conhece… Você não entende minha língua e eu não entendo a sua, mas logo estaremos muito próximos porque meu rim estará em seu corpo”, escreveu ela. “Espero de todo o coração que esta cirurgia tenha sucesso e que você viva uma vida longa, saudável e significativa.”

No hospital, Segal encontrou-se com o menino e sua mãe. * Ela sentou-se ao lado deles em sua cama de hospital e, enquanto a mãe consolava o filho, Segal cantou para ele até que ele adormecesse.

“Ele adormeceu e depois fui-me embora. Eu chorei”, lembrou ela em entrevista à Associated Press (AP). “Foi realmente comovente. No fundo, eu sabia que fiz algo de bom.”

Segal admite que seu curso de ação não foi recebido sem conflito dentro de sua própria família. Seu marido, filho mais velho e pai inicialmente se opuseram ao plano.

Mas Segal – considerando o gesto como a melhor forma de honrar os valores do amado avô que ela perdeu cinco anos antes – manteve-se firme em uma decisão que ela diz ter vindo na sequência de uma eclosão de 11 dias de novas hostilidades.

“Joguei fora a raiva e a frustração e vejo apenas uma coisa. Vejo esperança de paz e amor ”, disse ela à AP. “E se houver mais como nós, não haverá nada pelo que lutar.”

Eventualmente, sua família passou a apreciar e abraçar a escolha que ela fez.

Segal acredita que, em comparação com o esquema mais grandioso das coisas, o que ela fez é apenas “uma coisa pequena” – mas, mesmo assim, qualquer passo mais próximo da paz dado de boa fé é um passo na direção certa.

***
Redação Conti Outra, com informações de Good News Network.
Foto destacada: Idit Harel Segal.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.