A protagonista dessa história é Lorna Rutto, uma jovem do Quênia que fundou uma empresa chamada ECOPOST para criar madeira a partir do plástico, para encontrar uma forma de aproveitar os resíduos que se acumulavam nos aterros sanitários de sua cidade natal.

Tudo começou quando Lorna observou ecossistemas inteiros sendo destruídos na região de Kaptembwa, onde ela nasceu e cresceu vendo lindas paisagens e florestas, que se deterioraram cada vez mais a partir dos anos 90, com o crescimento populacional e grandes migrações do campo para a cidade, gerou maiores assentamentos humanos.

Além disso, o rápido desenvolvimento urbano gerou que seu município fosse invadido com resíduos plásticos que entopem a rede de esgoto, causando o caos em todo o município. Diante desta situação, Lorna passou a se preocupar cada vez mais com o meio ambiente e prometeu desenvolver opções que possam ter uma melhor gestão dos resíduos, pois está convicta de que “resíduo não é resíduo até que seja desperdiçado”.

Mais tarde, Lorna começou a pesquisar soluções viáveis ​​para a reciclagem de resíduos plásticos e, após desenvolver um modelo de negócio que transforma plásticos em cercas, decidiu se associar a uma colega engenheira bioquímica que, como ela, também é apaixonada por ajudar o meio ambiente e fundou a empresa: ECOPOST.

Com muito esforço, Lorna e sua colega tiveram sucesso em levar sua ideia adiante e depois de ganhar o Prêmio Enablis de Empreendedorismo, uma importante competição de negócios para start-ups no Quênia, eles obtiveram mais financiamento que levou o negócio ao próximo nível.

Hoje, a empresa está sediada na cidade de Nairóbi e possui vários centros de coleta em toda a cidade e uma planta de processamento principal, onde eles criam a madeira à base de plástico reciclado perfeita para fazer cercas, placas públicas, móveis, etc., escrivaninhas e até peças para casas mais amigas do ambiente.

Desta forma, desde 2009 ECOPOST gerou mais de 50 empregos diretos e 500 indiretos para jovens e mulheres que se encarregam da coleta e classificação de resíduos e depois os vendem para ECOPOST recebendo um pagamento justo pelo seu trabalho, desde a empresa It trabalha sob o princípio de ser um comércio justo.

Graças ao seu magnífico trabalho na criação de alternativas mais sustentáveis, Lorna recebeu vários prêmios, como o Future Africa Award na categoria de tecnologia em 2014, o prêmio Nature do World Wide Fund for Nature, o Cartier Women’s Initiative Award, entre outros.

***
Redação Conti Outra, com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.