Muitas pessoas em todo o mundo foram afetadas de uma forma ou de outra após a pandemia do COVID-19. Alguns perderam o emprego e outros tiveram que se reinventar.

Roberta Machado é uma carioca de 51 anos que, depois de perder o emprego e ficar sem dinheiro, decidiu vender plantas e flores nas ruas de Copacabana, no Rio de Janeiro.

Desde girassóis, orquídeas, margaridas, petúnias, cactos e rosas. Roberta tem flores e plantas para todos os gostos. Todos os dias ela estaciona seu Fusca verde pistache de 1696 e encanta os pedestres que caminham ao seu lado, abre o capô e chama a atenção dos transeuntes. O carro é uma explosão de flores!

Reuters

“Minha casa sempre foi uma floricultura, porque adoro flores e plantas. Escolhi algo que sempre adorei, comprei o carro e transformei-o numa nova forma de ganhar a vida.”, conta Machado em entrevista à AFP.

Com seu colorido jardim ambulante, a carioca percorre as ruas do Rio de Janeiro “vendendo felicidade”, como ela mesma o define. Ela garante que lhe compram muitas flores porque “falta felicidade neste estranho 2020”.

Reuters

Machado batizou sua floricultura itinerante de “Lia Linda Flor”, em homenagem a sua falecida mãe, que morreu em julho, em meio à pandemia.

Todos os dias, antes de começar a vender suas flores, Roberta passa uma hora arrumando seu estande, consertando detalhes e retocando seu besouro verde para deixar tudo perfeito.

Reuters

“Copacabana é só o começo”, diz Machado. A ideia dessa carioca é se expandir para todo o país. Ele quer levar as cores e os aromas de suas flores para todo o Brasil!

Com informações de UPSOCL

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







Ana, 20 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui matérias que são boas de se ler.