Mulher com medo de cães adota cachorro com medo de humanos

Um encontro de almas que precisavam de ajuda! <3

CONTI outra

Recentemente, a usuária do TikTok @ketophoria, cujo nome real é Teresa Hwang, compartilhou sua comovente história de amor, que transcendeu medos e preconceitos. Sua história foi vista por milhões de pessoas e ele conseguiu atingir 449,9 mil curtidas em apenas alguns dias.

Teresa, de 51 anos, é professora de educação especial de uma escola primária em Oakville, Canadá. Ela foi mordida por cães em duas ocasiões, o que fez com que ela tivesse meso de cães a maior parte da sua vida… até que ela conheceu Boo, um cachorro de abrigo que tinha medo de pessoas.  Foi a combinação perfeita para que ambos pudessem crescer e superar seus medos juntos. Naqueles dois anos que se seguiram após a adoção, os dois tiveram que dar pequenos passos e cercar-se de paciência e amor incondicional para ganhar a confiança um do outro e desenvolver uma linda amizade.

“Às vezes, ainda não consigo acreditar que tenho um cachorro, muito menos um que amo tanto quanto Boo. Eu digo às pessoas que ele é como o filho que eu nunca tive. Eu não apenas o amo porque ele me ama e precisa de mim. Eu o amo por quem ele é, exatamente como ele é, por tudo o que superou e pela alegria que trouxe em minha vida”, disse Teresa Hwang.

“Eu tive medo de cães a maior parte da minha vida. Depois de ter sido mordida por cães de amigos aos 10 anos (na testa) e aos 20 (na perna), desenvolvi uma fobia de cães que consegui controlar principalmente evitando-os. Sempre atravessei a ruaa para evitar passar por cães, não gostava de correr e, se visitava amigos com cães, pedia que os colocassem no quintal. Eu era capaz de lidar e interagir com cães amigáveis ​​com os quais me familiarizava, independentemente do tamanho ou raça, mas sempre me assustava se um cachorro estivesse rosnando ou latindo, mesmo que estivesse apenas brincando.”

Embora o namorado de Hwang estivesse pedindo há tempos por um cachorro, a idéia de adotar foi levada à sério apenas há alguns anos, depois que eles cuidaram do cachorro da irmã dela por duas semanas.

“Depois de pesquisar vários abrigos de animais, encontramos um cachorro chamado Patches (mais tarde batizado de Boo) no Niagara Dog Rescue. Boo está no sistema há cerca de 6 meses, originalmente vindo do Texas (dois abrigos diferentes e pelo menos uma outra família anfitriã) “, disse Hwang.

“A descrição mencionava que Boo não se encaixaria bem em uma casa com muito barulho, atividade ou crianças, mas que ele era ótimo com outros cães. Ele foi descrito como um “príncipe”, que era tímido e reservado, mas que poderia mostrar seu potencial se fosse acolhido em um lar amoroso. A descrição me fez pensar em Aladdin, ‘um diamante bruto’.”

“Quando conheci Boo, a primeira coisa que pensei foi que ele era muito menor do que aparentava nas fotos. Também notei como ele estava com medo e nervoso. Ele estava sentado em um banco ao lado de sua mãe adotiva quando chegamos. Enquanto estava sentado do outro lado do banco conversando com seu pai adotivo, eu não olhei para ele ou me relacionei com ele porque ele estava bastante ansioso.”

Aproximadamente 15 minutos depois, Boo emergiu lentamente de seu esconderijo atrás de sua mãe adotiva e deu alguns passos em minha direção. Quando me virei para olhar, ele me deu uma lambida no nariz e rapidamente se afastou e se escondeu atrás de sua mãe adotiva novamente. Sua mãe adotiva olhou para mim surpresa e respondeu: ‘Uau. Isso é realmente estranho, ele não chega nem perto das pessoas. Suponho que ele escolheu você.’ Naquele exato momento, todas as minhas preocupações catastróficas e autocríticas que se intensificaram nas semanas que antecederam esse dia, sobre ser ou não capaz de superar meu medo, desapareceram. Se ele pulou em mim para iniciar uma conexão, então eu sabia que esse era um sinal. Eu tive que levá-lo para casa. ”

“Nos primeiros meses, ele não se envolveu muito. Ele me seguia pela casa, mas não conseguia chegar perto. Ele não comeu na nossa frente. Ele não tocou em seus brinquedos. Ele andava com o rabo entre as pernas. Ele andava muito! Ele encolheu os ombros nos cantos. Ele estremeceu e tremeu muito ao ouvir barulhos como o da máquina de lavar ou do forno. ”

“Inseguros de sua história, nós o tratamos como se ele tivesse sofrido um trauma e como se ele tivesse trabalhado para criar segurança e construir confiança. Seguimos rotinas previsíveis e pegamos pistas de sua linguagem corporal. Investigamos usando diferentes ferramentas  e usamos vários treinadores. Era difícil treiná-lo porque ele não era muito motivado pela comida, pois muitas vezes estava bastante ansioso com a comida (talvez porque associasse comida à busca ou punição). ”

“Então, finalmente, ele começou a se sentir seguro, notei que seu rabo começou a se mover nos passeios. Ele começou a comer na nossa frente. Algumas semanas depois, ele me lambeu no nariz. Alguns meses depois, ele começou a brincar com uma bola. Então, eu o ouvi latir com entusiasmo pela primeira vez em nosso quintal. Com cada marco que testemunhei, chorei de felicidade, porque era como se Boo fosse um filhote de cachorro novamente e estivesse aprendendo a se comportar “como um cachorro”.

“Ele não é um cachorro típico. Ele ainda anda se as pessoas se movimentam pela casa. Não é motivado por doces. Ele nunca vem à porta para cumprimentá-lo. Ele não vai pular no seu colo para animá-lo. Não é super amigável. Ele não gosta de ser o animal de estimação de um estranho. Mas o Boo conseguiu muito nos últimos dois anos e meio desde que o vivos pela primeira vez.”

“As pessoas também perguntam se eu superei a minha fobia de cachorro. Bem, não tenho medo de Boo, mesmo quando ele late ou rosna para transmitir emoção ou desconforto. Mas ainda fico nervosa com outros cães que não conheço. Mas é melhor. E eu sei que se um cachorro viesse atrás de Boo, eu o protegeria. Porque Boo não é o único que mudou. Ver Boo se curar e crescer mudou a minha vida. Assim como criar filhos, cuidar de Boo me ensinou paciência e amor incondicional. ”

***
Destaques Psicologias do Brasil, página parceira. Com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.