Muitas pessoas são letradas com as palavras, mas permanecem com atitudes analfabetas

Um vacilo muito grande é capaz de apagar anos de discursos pomposos. Palavras bonitas não são capazes de esconder um coração pequeno, diminuto.

Marcel Camargo

O que se faz é que vale, bem mais do que aquilo que se diz ou se escreve. Tanto quando se educa, quanto se relaciona, a observação do comportamento é que equaliza os relacionamentos, tornando-os fortes ou frágeis. Um vacilo muito grande é capaz de apagar anos de discursos pomposos. E mais, palavras bonitas não escondem um coração pequeno, diminuto.

Por muito tempo, as pessoas eram supervalorizadas de acordo com o grau de escolaridade, com os títulos acadêmicos ou sociais, com o status que sua profissão carregava. Embora ainda exista quem se impressione tão somente com o verniz acadêmico que o indivíduo ostenta, caso não haja humanidade nas atitudes dele, as máscaras e fantasias logo não se sustentarão. Hoje, a vida pede sentimentos.

Você pode escrever com correção gramatical impecável, com coerência, coesão, utilizando vocabulário rico e primor linguístico, porém, caso não seja alguém que consiga se colocar no lugar do outro e estender as mãos ao próximo, as palavras se perderão no vazio do esquecimento. O que fica é como agimos, como amamos, o que dizemos, como fazemos o outro se sentir.

Saber se expressar diante de uma folha de papel é importante, para aprendermos a lidar com nossos pensamentos, para desenvolvermos pesquisas, para conseguirmos ajudar o mundo de alguma forma, porém, é necessário que também consigamos lidar com as palavras na vida em sociedade, nos relacionamentos com os seres humanos. Escrevemos nossa história não somente pela linguagem escrita, mas em muito pela linguagem afetiva que trocamos com as pessoas que passam pelas nossas vidas.

Saberes são necessários e imprescindíveis ao nosso aprimoramento pessoal, pois nos ajudam na conquista de nossos sonhos. No entanto, saberes que ficam confinados dentro do ego ou limitados entre quatro paredes de um cômodo acadêmico tornam-se inúteis, pois não alcançam o ser humano, não se transformam, não se ressignificam, não se multiplicam na forma do compartilhar necessário à afetividade de todos nós.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Marcel Camargo
"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar".É colunista da CONTI outra desde outubro de 2015.