Jenni Ekletsion é uma mulher norte-americana que sente que foi colocada na Terra para ajudar os outros. “Às vezes você não sabe para o que foi criado. Fui criada para cuidar dos outros”, disse ela.

Casada, mãe de dois filhos, que imigrou da Etiópia para os Estados Unidos há 20 anos, já conquistou muito desde que se mudou para Columbus, em Ohio. Ela mantinha um bom emprego no setor bancário, ao mesmo tempo que fazia seu doutorado.

Jenni e seus filhos. Foto: ABC6

No entanto, Jenni tinha um desejo de se conectar com outras pessoas e isso a inspirou a se tornar uma motorista do Uber nos fins de semana. Ela gosta de conversar com seus passageiros sobre tudo, desde espiritualidade até maternidade, e se sente bem em ajudá-los a chegar aonde precisam.

Em março de 2020, durante o pico da pandemia COVID-19, Jenni foi motorista de um homem de 88 anos chamado Paul Webb. Mal sabiam eles que esta curta viagem até uma loja de celulares acabaria mudando suas vidas!

Foto: ABC6

Paul mora sozinho desde que sua esposa faleceu anos atrás, e seus filhos adultos temiam que ele estivesse passando muito tempo sozinho em casa. Ele foi diagnosticado com demência em 2017 e, como muitos outros, o isolamento fez com que sua saúde piorasse rapidamente durante a pandemia. No dia em que ele entrou no Toyota de Jenni, os dois sentiram uma conexão instantânea.

“Ela era muito pessoal, fácil de conversar”, contou Paul. Imediatamente, Jenni sentiu que ele precisava de mais do que uma carona até a loja. “Eu poderia dizer o quão solitário ele era,” ela explicou. “Tive a sensação de que ele precisava de ajuda. Eu disse a ele que morava perto de sua casa, então disse: ‘De agora em diante, quando você precisar de uma carona, é só me ligar.’”

No dia seguinte, Paul fez exatamente isso.

Assim Jenni passou a ir até a casa de Paul todos os dias depois do trabalho para ver como ele estava ou levá-lo para comer fora. Eles sempre alternavam quem pagava a conta do restaurante e, eventualmente, os filhos de Paul perceberam que ela estava genuinamente interessada em ajudar seu pai.

Foto: ABC6

O homem adoeceu em abril de 2021 e seus filhos consideraram mandá-lo para uma casa de repouso, à qual Paulo se opôs veementemente. Foi quando Jenni fez a decisão: ela deixaria seu emprego para cuidar de Paul todos os dias.

“Há pessoas neste mundo que realmente se importam”, disse o filho de Paul, Keith Webb. “Ela é verdadeira. Ela está presente em tudo. Estou muito grato.”, completou.

Jenni lamenta não ser capaz de cuidar de seu próprio pai desde que deixou a Etiópia, então assumir o papel de cuidadora de Paul foi totalmente natural para ela. Agora, os dois compartilham um relacionamento quase paternal.

“É maravilhoso”, disse Paul. “Não quero nem pensar em perder a amizade dela. Ela é como uma filha para mim.”

Foto: ABC6

Enquanto os filhos de Paul pensam que a aparição de Jenni em suas vidas é nada menos que um milagre, Jenni insiste que tem sorte. “Muitas pessoas com muita sabedoria estão morrendo sozinhas em casa então a parte gratificante é mudar a vida dele. Mudando seus últimos dias. Ele tem 88 anos, não merece ficar sozinho”, disse ela.

“Foi a melhor decisão que já tomei.”, completou a mulher.

Com informações de Inspire More

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.