Mergulhador morre em caverna na Tailândia onde meninos estão presos

Saman Kunan, 38 anos, morreu enquanto levava oxigênio para os meninos presos a caverna da Tailândia

Um ex-membro da Marinha tailandesa faleceu nesta sexta-feira depois de ajudar os 12 meninos presos em uma caverna do norte da Tailândia, cujas possibilidades de resgate são limitadas. Após ter entregue uma reserva de oxigênio para os meninos, ele ficou sem ar para o retorno e acabou perdendo a consciência no caminho de volta. O companheiro ainda tentou ajudá-lo e carregá-lo, mas não conseguiu.

A morte do socorrista mostra a dificuldade de um resgate sem colocar em perigo a vida dos meninos e de seu treinador de futebol, presos há 13 dias na caverna de Thuam Lang.

“Apesar de termos perdido um homem, seguimos com fé em nossa missão”, declarou Apakorn Yookongkaew com a voz embargada.

A Marinha tailandesa insinuou que possivelmente as equipes de emergência não terão outra alternativa a não ser tentar um resgate complexo e perigoso. A janela de tempo para retirar os jovens da caverna é “limitada”, admitiram as autoridades.

“A princípio, pensávamos que as crianças poderiam ficar durante muito tempo. Mas a situação mudou, e agora nos resta um tempo limitado”, declarou o comandante da Marinha, Apakorn Yookongkaew, um dos coordenadores da célula de crise.

Yookongkaew também explicou que cilindros de oxigênio foram espalhados ao longo da caverna para tentar abastecer as crianças e seus acompanhantes, incluindo o treinador do time de futebol. Mas ele não citou uma tentativa de resgate nesta sexta-feira, quando a meteorologia prevê o retorno das chuvas de monção nesta região montanhosa da Tailândia.

As equipes de emergência tentavam avançar o máximo em seus preparativos de resgate, antes do retorno da chuva. Os socorristas esperam conseguir, com a ajuda de máquinas, reduzir o nível da água de modo suficiente para que os meninos consigam sair da caverna sem a necessidade de mergulhar, ou com mergulhos apenas em pontos específicos.

5 horas de mergulho

No momento, um mergulhador experiente precisa de 11 horas para fazer uma viagem de ida e volta até o local em que estão os jovens: seis de ida e cinco para volta, graças à ajuda da corrente. O trajeto tem vários quilômetros e inclui passagens estreitas e trechos sob a água.

Os socorristas dizem que preferem esperar a água baixar e manter o grupo na caverna até que possa ser retirado caminhando, com uma parte mínima de trechos submersos, que seriam percorridos com máscaras.

Esta é a opção privilegiada pelas autoridades, que instalaram um amplo sistema de bombeamento da água, com a ajuda de engenheiros japoneses, e já retiraram da caverna um volume equivalente a mais de 50 piscinas olímpicas.

Fonte indicada: O Dia

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.