Menino que vendia trufas em semáforo chora depois de ser pago com nota falsa de R$100

Se aproveitando da inocência do menino, uma mulher comprou todas as trufas dele com uma nota falsa de cem reais. Ao saber que tinha sido enganado e que tinha perdido toda a sua mercadoria, o menino não conseguiu segurar o choro.

CONTI outra

Na noite da última sexta-feira, um menino de 13 anos sentiu na pele os efeitos da falta de empatia que infelizmente acomete algumas pessoas. O garoto vendia trufas em um semáforo do bairro Retiro, em Jundiaí, interior de São Paulo, quando um mulher resolveu comprar toda a sua mercadoria. Feita a venda, o garoto acabou descobrindo que tinha recebido como pagamento uma nota falsa de R$100. Ao se ver diante da face mais egoísta do ser-humano, o menino não pôde sregurar o choro.

O adolescente descobriu o golpe quando foi a um supermercado para comprar mantimentos para a sua casa com o dinheiro das vendas. Um segurança do local o avisou sobre a nota falsa.

Segundo a mãe do menino, uma dona de casa de 31 anos, o garoto vai todo dia depois das aulas, por volta das 17h, para o semáforo do bairro vender as trufas porque sonha ser um empreendedor.

O menino é o mais velho entre cinco irmãos e, de acordo com a mãe, usa o dinheiro para comprar “coisas de crianças”. O pai dele trabalha como servente de pedreiro.

“Uma pessoa passou no semáforo e comprou toda a mercadoria dele com uma nota de R$ 100 falsa, levando 20 trufas. Ele vende cada uma a R$ 5, o que dava certinho o valor da cédula. Meu filho faz isso para comprar coisas para ele mesmo e sempre diz para mim que sonha ser empreendedor ou vendedor no futuro. Para isso, busca aprender desde cedo”, contou a mãe ao portal UOL.

A mãe contou que, mesmo levando uma vida bastante simples, o menino trabalha no semáforo “porque gosta”.

“Ele continua vendendo e não desiste. Faz isso porque gosta de trabalhar. Diz que já sabe o ramo que pretende seguir para a vida. Meu filho conta que onde estiver, tentará viver como empreendedor”, acrescenta.

Ela contou ainda que o filho não quis passar a nota no supermercado de maneira intencional, pois não sabia que se tratava de uma falsificação. Ele procurou os funcionários antes de tentar a compra.

“Ele é uma criança que não faz nada de errado e nunca passaria uma nota falsa, tanto que chorou depois de saber disso”, declarou a mãe.

O segurança do supermercado, Sandro Moraes, de 34 anos, confirmou ao UOL que o garoto não sabia da procedência da nota.

“Ele chegou perguntando se a nota era verdadeira. Percebi que era falsa na hora, mas fomos ao balcão confirmar e lá vimos que não tinha relevo e outros detalhes de uma verdadeira. Era uma falsificação grosseira, porém ele não conseguiria diferenciar. Ele ficou bem desapontado porque iria fazer compras no mercado. O olho encheu de lágrima ao ver que perdeu tudo e foi tão honesto que quis deixar a nota para alertarem as meninas do caixa”, afirmou.

***
Redação Conti Outra, com informações de UOL.
Foto: Sandro Moraes/Arquivo Pessoal.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.