Uma garota de 9 anos sobreviveu a um ataque de puma em Fruitland, Washington, nos Estados Unidos. O acidente aconteceu na manhã do último sábado, quando Lily e dois amigos passeavam por uma trilha perto de um acampamento.

A menina lutou com o felino enquanto seus amigos correram para se salvar e pedir ajuda. Adultos que estavam no local encontraram Lily bastante ferida e a socorreram. Ela foi levada até um hospital de helicóptero e está se recuperando depois de uma cirurgia. A vítima sofreu vários ferimentos na cabeça e na parte superior do corpo. O animal acabou sendo abatido.

“A cena vai ficar na minha mente e no meu coração para sempre. Quando cheguei lá, ela estava debaixo da árvore. Eu pensei que não estava viva porque estava coberta de sangue”, disse à mida local Ivan Zhuk, uma das primeiras pessoas que encontraram Lily após o ataque.

Por meio de um comunicado, a família da menina informou que segunda-feira foi o primeiro dia em que ela abriu os olhos após o ataque. Segundo os parentes, a menina está se recuperando bem e o estado de saúde é estável.

“Lily ainda está na UTI, mas fora do coma. Ela está totalmente ciente do que aconteceu com ela, pode falar claramente, pensar com clareza, mover seus braços e pernas. Ela fala com sua mãe e seu pai, mas ainda há muita recuperação pela frente”, disse a família na página de vaquinha online Gofundme, criada pelo tio Alex Mantsevich para ajudar nas despesas médicas com a menina. A campanha arrecadou US$ 61 mil até a manhã desta terça-feira.

Ataques de pumas são raros

Staci Lehman, porta-voz do departamento de Pesca de Vida Selvagem da região, explicou que os ataques de pumas são raros. Apenas dois óbitos foram registradas no último século no estado de Washington.

“Neste caso, essa garotinha não fez nada de errado. Aconteceu tão rápido e não havia nada que ela pudesse ter feito para evitar isso”, disse Lehman à AP.

Ela explica ainda que qualquer pessoa que for confrontada por uma puma deve gritar com o animal e tentar parecer maior do que ele. Em caso de ataque, é importante tentar ao máximo permanecer em pé. A pessoa não deve se virar, correr ou tirar os olhos do animal.

***
Redação Conti Outra, com informações de O Globo.
Fotos: Reprodução/GoFoundMe

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.