Durante séculos, a sociedade entendeu que a mulher não tem autoridade sobre o próprio corpo. Felizmente, os tempos estão mudando e, mesmo que ainda hoje possamos identificar resquícios dessa cultura machista no nosso cotidiano, a discussão evoluiu muito. O maior sintoma desse ‘despertar de consciência’ é o fato de que atitudes sexistas já não são mais encaradas com a naturalidade de outrora.

Um recente exemplo disso foi compartilhado pela jovem Paxton, de 18 anos, que se identifica como não binária. Em seu perfil no TikTok, ela compartilhou um vídeo que expõe uma situação de machismo da qual foi vítima, e é claro que os usuários da rede não deixaram barato, tratando de viralizar o relato dela para que mais gente pudesse enxergar o quão nociva pode ser essa cultura que trata mulheres como meros objetos dos desejos masculinos.

No vídeo, Paxton lembrou lembrou um encontro que teve com seu cirurgião depois de saber que ela tinha um tumor em um de seus seios. O tratamento não era uma opção, então Paxton teve que se submeter a uma operação para remover o câncer.

Ela explicou que o médico estava examinando o tumor quando, de repente, sugeriu que ela “reconsiderasse” a cirurgia porque tinha “seios muito bonitos” e uma operação deixaria cicatrizes. E para piorar a situação, o médico disse mais tarde a Paxton que “seu futuro marido não iria gostar” dos seios dela com cicatrizes.

Os usuários da rede social foram rápidos em expressar sua rejeição a esses comentários humilhantes direcionados a Paxton. “E os médicos, que se preocupam mais com maridos em potencial do que com seus próprios pacientes”, comentou um, enquanto outro apontou diretamente: “Quer dizer, isso foi assédio a uma menor. Ele deveria estar preso sem nunca mais poder exercer sua profissão”.

Paxton respondeu ao último comentário, dizendo que realmente tinha sido um episódio de assédio, mas que decidiu não denunciá-lo por ser menor e porque sentia “um desconforto extremo”, sem saber muito o que fazer. Além disso, ela ressaltou que o médico era mais velho. Posteriormente ela soube que ele já não estava mais atuando na área.

“Acho que esse é o lado bom, ele não vai continuar fazendo comentários desse tipo para ninguém, mas quem sabe para quantas pessoas ele disse coisas assim ao longo de sua carreira?”, disse Paxton no TikTok.

Paxton encerrou seu vídeo dizendo que sua história é um exemplo de por que pessoas não binárias “não se metem com médicos do sexo masculino”. E, claro, ela tem muitos motivos para isso.

***
Redação Conti Outra, com informações de UPSOCL.
Fotos: TikTok: @uglynymph

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.