Médico na linha de frente contra Covid-19 se veste de dinossauro para abraçar o filho

“O abraço no meu filho foi o combustível que eu precisava para continuar a batalha contra o coronavírus”, revela o médico.

REDAÇÃO CONTI outra

Os profissionais de saúde têm sido uma peça fundamental no combate à pandemia de Covid-19. Porém, este trabalho tão nobre e tão necessário faz com que eles sejam o grupo mais vulnerável ao contágio da doença, o que exige que eles precisem evitar ao máximo o contato com os seus familiares. Sabemos, entretanto, que um abraço apertado pode ser a mais poderosa fonte de cura de toda a tristeza que o trabalho na linha de frente pode trazer, então o jeito é usar a criatividade. Um médico de São Sebastião (SP), por exemplo, precisou criar uma estratégia inusitada para conseguir o abraço do filho, de quem estava afastado há mais de um mês.

O médico Juan Lambert atua na linha de frente contra a Covid-19 desde o dia 17 de março, no Hospital de Clínicas de São Sebastião. Para evitar que sua família ficasse exposta à doença, ele se isolou em casa e sua família se hospedou na casa do sogro, em Caraguatatuba.

Neste fim de semana porém, a saudade apertou demais e Juan decidiu que iria ver e abraçar o filho Lucca, de 4 anos, depois de 36 dias. Mas como faria isso sem expô-lo ao risco? Usando uma fantasia de dinossauro, é claro!

Foto: Arquivo Pessoal

De acordo com o G1, o reencontro entre pai e filho começou com um susto, afinal não é todo dia que um dinossauro vem te visitar, não é mesmo? Mesmo o pequeno Lucca logo notou que o dinossauro era, na verdade, o papai. Então eles puderam passear juntos pela rua por cerca de 20 minutos. Foi o único intervalo que o médico encontrou na sua rotina como coordenador do hospital na luta contra o novo coronavírus.

Foto: Arquivo Pessoal

Além de estar distante fisicamente do filho, Juan também precisou evitar o contato com a esposa, que está grávida de cinco meses. O médico será pai de uma menina, Liz, com previsão de chegar ao mundo em setembro.

Até o momento, Juan consegue ver o ultrassom da filha apenas por fotos no celular. Mas ele está otimista de que no mês de setembro a pandemia poderá ter dias melhores.

Médico acompanha ultrassom da filha pelo celular — Foto: Arquivo Pessoal

Apesar de também ser afetado com o distanciamento, o pequeno Lucca parece entender que tudo isso é por uma boa causa. Para ele, seu pai médico é um herói de armadura branca.

Vejam o vídeo:

“Meu pai está lá lutando contra o ‘oronavírus’ Ele não pode ficar aqui com a gente”, diz o menino.

Com otimismo, Juan Lambert deixa um recado sobre conscientização para que façamos a nossa parte neste momento de pandemia.

“Vamos conseguir vencer. Acredito que teremos a área da saúde antes e depois do coronavírus. É o maior desafio da minha vida, o maior desafio que qualquer médico aí jamais imaginou enfrentar. Então, quem puder, fique em casa. Quem tiver que sair para trabalhar, tome todos os cuidados. Tenho orgulho da minha profissão e estou focado nesse objetivo. Quero continuar sendo motivo de orgulho para meu filho. Ele me ajuda a me manter forte aqui. E é assim que tem que ser. Tudo isso vai passar”, analisou.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.