Em setembro de 2016, um homem de 71 anos assaltou um banco com o intuito de ser preso e assim ficar longe de sua esposa. Cerca de nove meses depois, ele foi condenado à prisão domiciliar. Por mais irônico que possa parecer, era justamente o que ele não estava esperando.

Lawrence John Ripple confessou ter assaltado o banco em Kansas City, nos Estados Unidos, e a expectativa é que ele fosse condenado a até 37 anos de cadeia. No entanto, sua defesa pediu clemência alegando que o idoso estava com depressão devido a uma cirurgia cardíaca na época do crime.

Por isso, o juiz Carlos Murguia condenou Ripple a seis meses de prisão domiciliar. Além disso, foi estipulado que o idoso deveria passar três anos em regime condicional e prestar 50 horas de trabalho comunitário. Ele também teve que pagar US$ 227,27 (algo em torno de R$ 745) ao banco.

O caso viralizou nas redes sociais quando Ripple entrou no Bank of Labor e entregou um bilhete à atendente que dizia “tenho uma arma, me dê o dinheiro”.

A funcionária do banco imediatemnte entregou US$ 2.924 (cerca de R$ 9.600) ao idoso, que se sentou no lobby do prédio para aguardar a chegada da polícia. Ripple relatou às autoridades que escreveu o bilhete na frente de sua esposa e disse que preferia ser preso à ficar com ela em casa.

Antes do assalto, o idoso tinha uma vida tranquila, sem antecedentes criminais. Ele é padrasto de quatro enteados e tinha um relacionamento estável com a mulher.

Quando recebeu sua sentença, Riplle disse que desde o assalto, iniciou um tratamento contra a depressão e se sentia bem novamente.

Acompanhado no tribunal por sua mulher e parentes, Ripple se disse arrependido e pediu desculpas ao banco e à atendente.

“Não foi minha intenção assustar a atendente como eu fiz”, disse no tribunal.

***
Redação Conti Outra, com informações do UOL.
Foto destacada: Polícia do Condado de Wyandotte.







LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES



As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.