Ilustração da capa: Thithi Johnson

Recentemente eu tive um namorado do tipo explorador. Quando chegava a hora de pagar as contas, em 70% das vezes, ele ficava em silêncio e não ajudava. Ele passava todos os finais de semana na minha casa e não ajudava. Não falava nada. Simplesmente calava e me deixava arcar com quase tudo. E isso me machucava. No dia em que eu perdi a cabeça e cobrei uma postura mais participativa dele, ele terminou comigo de forma radical e violenta. Me bloqueou no telefone e em todas as redes sociais. Demonstrou profundo ódio e desprezo. Ele me acusou de outras coisas e nunca mais trocou uma única palavra comigo. No começo eu não entendi nada, fiquei arrasada, mas aos poucos compreendi que o ódio que ele sentia de mim vinha do fato de ter sido desmascarado. Ele se acha uma pessoa boa. Ele se vende como uma pessoa boa. Ele frequenta grupos de pessoas honradas. Seus amigos acham que ele é bom. Até eu achava que ele era bom, mas, na verdade, sua humanidade não passa de encenação para conseguir conveniências. Quando eu tive coragem de tirá-lo de sua zona de conforto, ele me descartou sem nenhuma consideração. Quantas outras pessoas possuem relatos como esse?

Lorenna Mesquina, em seu livro Leite Seco, conta a história de Ella, uma mulher que ao longo da vida passa por diversos relacionamentos. Alguns são saudáveis, outros tóxicos e abusivos. Ella é como nós! E a sua humanidade como personagem não a torna ideal em nada. Ela não é a vítima perfeita como a sociedade gosta de imaginar. Ela é apenas humana. Em deterninada altura, entretanto, ela também é envolta em uma rede de abusos psicológicos e financeiros. Ella pensa estar apaixonada, idealiza e se torna mãe de um filho de um homem cruel que por ela sente apenas desprezo. Mas nem tudo é visível até que realmente passa a ser.

A história de Ella é excelente porque seu enredo não pertence apenas a personagem. Ella certamente fala de mim. Ella fala de você. Ella tem um pouco de toda mulher inserida nessa cultura patriarcal que coloca o homem algoz em posição privilegiada, que sempre permite que, por mais atroz que seja seu ato, ele saia da relação com um discurso de mocinho injustiçado.

Leite Seco, de Lorenna Mesquita, perturba por ser, de certa forma, a história de todos nós. Mas essa história não precisa mais ser nossa. E, talvez, por isso, perturbe tanto.

 

COMO COMPRAR:

O livro está disponível para venda desde o dia 01/08/21, nos formatos impresso, ebook e audiobook no site da editora Srta.Lô e em plataformas de e-commerce.

 

CÓDIGO PARA CUPOM FRETE GRÁTIS LEITORES CONTIOUTRA:  CONTIVIP (válido no site da editora)

VOCÊ COMPRA E AJUDA!

Durante todo o mês de Agosto/21, mês de consciênctização para o fim da violência contra a mulher, a cada livro vendido do Leite Seco, no formato impresso, a editora Srta.Lô vai doar 1 exemplar para entidades ligadas ao combate à violência contra a mulher. Ou seja, se forem 100 livros vendidos, então serão 100 livros doados!

MAIS SOBRE O LIVRO- SINOPSE OFICIAL

Leite Seco é o primeiro romance da escritora Lorenna Mesquita, que apresenta o relato da personagem Ella, uma mulher que sofreu agressões psicológicas do parceiro a ponto de ver o seu leite secar nos primeiros dias de nascimento do seu filho. Enquanto conta sua história, Ella relemba de outros relacionamentos: o primeiro amor, a paixão avassaladora, o universo sexual desconhecido. O enredo é ficcional, baseado em situações reais.

A violência psicológica é muito difícil de ser identificada, por ser silenciosa. E causa um transtorno tão grande que a vítima sente-se culpada pelo próprio sofrimento.

Segundo relatórios da Organização Mundial da Saúde, mulheres que sofrem agressões psicológicas pelo marido ou namorado têm maiores chances de desenvolver transtorno alimentar, ansiedade, depressão, baixa autoestima, comportamento sexual inseguro e outros problemas de saúde.

Homens que agridem psicologicamente suas parceiras têm algumas características em comum. Ao contrário do que se imagina, eles são aparentemente tímidos, retraídos e inseguros; têm dificuldade para sentir prazer sexual; consomem álcool ou drogas com frequência e possuem algum histórico de violência doméstica na família. Podem ser bem-sucedidos no trabalho, mas são inseguros na intimidade e usam a relação afetiva ou sexual como forma de afirmação.

A agressão psicológica causa um dano tão grande à vítima que esta não consegue identificar tão facilmente que é alvo de violência. Na maioria das vezes, considera-se culpada pelo próprio sofrimento.

Sobre a autora

Lorenna Mesquita nasceu em Belém, onde se formou em Jornalismo na UFPA. Foi repórter na Gazeta Mercantil e na TV Liberal/Globo; debatedora no Sem Censura, da TV Cultura; e assessora de imprensa. Apostando no seu sonho de criança de ser atriz, arrumou as malas para São Paulo. Precisou de uma vida dupla: de dia, coordenava a área de comunicação de uma multinacional; à noite, ensaiava e atuava nos teatros. A carreira artística começou a decolar em paralelo à corporativa. Então teve que fazer uma escolha. E, mais uma vez, optou pelas artes. Fundou a produtora Srta.Lô, em 2011, para realizar seus próprios espetáculos com turnês internacionais. Agora adentra no universo da escrita de romances, onde pretende plantar novas sementes.

Aldir Blanc

O romance Leite Seco foi escrito graças aos recursos da Lei Aldir Blanc, verba federal repassada aos estados e municípios brasileiros, como apoio aos artistas durante a pandemia da COVID-19.​

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







É idealizadora, administradora e responsável editorial do site CONTI outra e de suas redes sociais. Psicóloga com 20 anos de experiência, teve sua trajetória profissional passando por diversas áreas de atuação como educação, clínica (consultório, grupos pré-cirurgia bariátrica e de reeducação alimentar, acompanhamento de pacientes idosos e acamados em projeto da UNIMED), além de recursos humanos e saúde do trabalhador. Teve um programa diário, o CONTI oura, na rádio 94.7 FM de Socorro. Atualmente realiza vídeos, palestras, cursos, entrevistas, e escreve para diversos canais digitais. Sua empresa ainda faz a gestão de sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil. Possui mais de 11 milhões de usuários fidelizados entre seguidores diretos e seguidores dos sites clientes. Também realiza atendimentos psicológicos online e possui um Podcast semanal, ao lado de Felipe Souza, o "Corra, Forrest, corra!" que trata de assuntos da atualidade mesclando-os com dicas de filmes e séries.