Juiz americano dá como sentença a jovens infratores leituras de livros sobre racismo – e funciona

Em vez de punir um grupo de jovens por um ato de vandalismo racista, esse juiz queria que eles entendessem o erro de seus hábitos

CONTI outra

Em vez de punir um grupo de jovens por um ato racista de vandalismo, esse juiz queria que eles entendessem o erro de seus hábitos e os obrigou a ler livros – e aparentemente funcionou. Em setembro de 2016, cinco adolescentes foram acusados ​​de fazer pichações em uma escola antiga e histórica em Ashburn, Virgínia.

A escola, que havia sido usada para ensinar crianças negras durante a segregação, havia sido coberta de suásticas, declarações racistas e rabiscos que pareciam típicos de jovens enganados.

De fato, um dos adolescentes acabara de ser expulso de sua escola antes do vandalismo, e é por isso que a Procuradora Alejandra Rueda acreditava que os adolescentes estavam atacando – e ela sentiu que tinha uma chance de transformar o incidente em uma oportunidade educacional.

“A comunidade explodiu [diante do vandalismo]. Compreensível. Mas você sabe, algumas adolescentes nem sabiam o que significava uma suástica ”, disse Rueda à BBC . “Então eu vi uma oportunidade de aprendizado.

“Com os alunos, você pode punir ou reabilitar – e esses eram adolescentes sem registro prévio – e pensei no que me ensinou quando tinha a idade delas, o que abriu meus olhos para outras culturas e religiões… E foi a leitura. ”

Então, ao invés de simplesmente colocar as crianças em liberdade condicional, Rueda elaborou uma lista de leitura de 35 livros diferentes que lidam com a dor e as tragédias da injustiça racial. Khaled Hosseini, Elie Wiesel, Harper Lee, Solomon Northup, Maya Angelou e Alice Walker foram apenas alguns dos autores icônicos que ela incluiu na lista.

Os adolescentes foram então convidados a ler um dos livros a cada mês durante um ano. Para cada livro que leram, eles foram solicitados a escrever um ensaio de 3.500 palavras sobre as consequências do racismo, intolerância e preconceito. Além disso, os adolescentes foram convidados a visitar o Museu do Holocausto e uma exposição de museu de história nos campos de internação nipo-americanos seguindo Pearl Harbor.

Dois anos após o incidente, a condenação de Rueda fez exatamente o que esperava. As crianças estão aderindo à sua educação; eles não reincidiram; e com base em seus ensaios, bem como nas declarações dos pais e advogados dos adolescentes, todos ficaram “envergonhados” e lamentaram o crime.

Em um dos ensaios, um dos rapazes concluiu sua triste análise literária dizendo: “Todos devem ser tratados com igualdade, não importa sua raça, religião ou orientação sexual. Eu farei o meu melhor para fazer com que eu nunca seja tão ignorante. ”

Ao ler o ensaio para os repórteres da BBC , Rueda disse em lágrimas: “Isso me faz chorar, mas me faz sentir bem porque funcionou!” “Temos que educar as crianças”, acrescentou ela. “E com as crianças, nosso foco deve ser a reabilitação e não a revanche, se quisermos resultados.”

TEXTO TRADUZIDO POR PSICOLOGIAS DO BRASIL, DE GOOD NEWS NETWORK

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.