Uma estudante de química salvou sua família de um envenenamento químico depois de perceber que suas joias de prata estavam ficando pretas.

Julia e David Toman e sua filha adulta Lucy foram levados às pressas para o hospital depois que sua casa em Helmdon, Northamptonshire, foi evacuada com urgência.

Os especialistas revelaram mais tarde que a família estava respirando ar contaminado com o gás tóxico, o sulfeto de hidrogênio, segundo informações do Oxfordshire Live .

De acordo com Julia, a família estava há dois dias agüentando o mau cheiro, que se espalhou pela casa. A família achou que o fedor poderia estar vindo dos ralos e até ligou para o controle de pragas para verificar se uma infestação era a culpada.

“Limpamos todos os ralos para ter certeza de que não era um bloqueio e até mandamos verificar a caldeira de óleo. Sabíamos que o cheiro era mais forte na garagem.”, relatou Julia.

Lucy, de 22 anos, que atualmente está trabalhando e estudando, voltou para casa depois de um turno e percebeu que suas joias de prata tinham ficado pretas e manchadas.

O fedor aumentou de intensidade antes que Lucy – que estudava química nível A – se lembrasse de uma velha lição da sala de aula. O sulfeto de hidrogênio é conhecido por seu forte odor de ovos podres e carne em decomposição e pode tornar as joias de prata escurecidas por oxidação.

A exposição ao sulfeto de hidrogênio causa uma série de sintomas terríveis que atingem a vítima rapidamente e podem ser fatais para um ser-humanono em minutos, de acordo com o Compêndio do Governo de Riscos Químicos.

Altas doses da substância química – que é exposta ao corpo por inalação – “podem resultar em colapso, paralisia respiratória, cianose [lábios que ficam azuis], convulsões, coma, arritmias cardíacas e óbito em minutos”, afirma o compêndio.

Concentrações mais baixas podem “irritar os olhos e o trato respiratório, resultando em dor de garganta , tosse e dispnéia [falta de ar]”.

Julia explicou: “A essa altura, sabíamos que o gás poderia ser tóxico e chamamos o corpo de bombeiros. Eles ficaram aqui cerca de sete horas. Havia dois carros de bombeiros com pessoas de controle de tóxicos, duas vans Anglian Water e uma ambulância para verificar nossos níveis de oxigênio no sangue e fazer um ECG.”

Apesar de terem sido expostos à substância altamente tóxica por 48 horas, os exames de sangue do Hospital Horton deram negativo e eles receberam alta.

No entanto, a família não poderia voltar para casa até que os profissionais erradicassem todos os vestígios do gás, então se hosderam em casas de vizinhos temporariamente.

“Felizmente, tínhamos um sistema de apoio incrível no nosso bairro e pudemos ficar com amigos na área enquanto esperávamos para poder voltar para casa.”

Depois de voltar para casa, eles compartilharam a história para aumentar a conscientização para que outras pessoas possam ficar em alerta para os sinais da substância química fatal.

***
Redação Conti Outra, com informações de Mirror.
Foto: Lucy Toman.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.