Uma moradora de um prédio em Brasília vive uma situação desagradável apenas por causa do seu tipo de roupa que escolhe usar. Najhara Noronha, uma técnica de laboratório de 36 anos, recebeu uma reclamação em casa por usar shorts curtos.

De acordo com o G1, ela estava realizando um exame universitário online quando recebeu um e-mail com uma carta endereçada a ela e falando sobre as suas roupas, qualificadas na carta como impróprias.

O texto veio de um presumido Conselho de Mulheres do prédio e exigiam que Najhara não andasse pelas áreas comuns com shorts curtos e recomendaram que ela usasse “roupas adequadas”.

“Pedimos ao residente do departamento (…) que não ande nas áreas comuns de bermuda, mas com roupas mais adequadas . Além disso, essas roupas de ginástica e shorts deixam os casais envergonhados ! Se precisar de ajuda, estamos à disposição! ”, Dizia a carta, que a jovem tornava pública.

As recomendações enfureceram Najhara, porque ela não conseguiu entender o motivo pelo qual seus vizinhos poderiam se sentir constrangidos sobre sua maneira de se vestir.

Após receber a correspondência, a mulher foi procurar os funcionários do prédio para obter uma resposta. No entanto, ninguém soube dizer de onde tinha vindo a carta e eles desconheciam a existência do Conselho das Mulheres.

Najhara mora neste prédio há um ano e cinco meses e só recentemente ela começou a usar as áreas comuns . “Só circulo quando saio para praticar esportes”, disse, em conversa com o G1 .

“A questão é saber se um grupo de mulheres, ou apenas uma mulher, sente que tem o direito de definir o que posso e o que não posso usar, não há nada que justifique tal comportamento”, acrescentou.

A jovem estaria em processo de análise do caso com um advogado para decidir se deveria agir ou não.

***
Redação Conti Outra, com informações de UPSOCL.
Fotos: Najhara Noronha.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.