Jovem de 25 anos adotou e ajudou um jovem de 18, um de 15 e outro de 13

Ela decidiu que não teria filhos, mas não porque não gostasse de crianças, mas porque queria oferecer um lar a crianças e jovens em situação de vulnerabilidade. Sua decisão foi críticada por sua comunidade católica. Disseram que era um "desperdício de um bom útero".

CONTI outra

Desde muito jovem, a americana Casey Douglas, de Atenas, no Texas, decidiu não ter filhos biológicos. Não porque não gostasse de crianças, mas precisamente o contrário: queria ajudar quem se encontra em situação de vulnerabilidade. Um caminho que não ficou isento de críticas, principalmente das pessoas de sua comunidade cristã, que até lhe disseram que seu caso era “desperdício de um bom útero”. No entanto, ela não cedeu e deixou claro que seu destino era ser uma mãe adotiva.

Foi assim que, com apenas 25 anos ela decidiu adotar seu filho mais velho hoje: Randall Douglas, um menino que entrou em sua vida aos 18 anos e veio de um lar abusivo. Jovem que tinha história semelhante à de seus irmãos mais novos, Tim e Damon Douglas, que foram adotados por Casey quando tinham 15 e 13 anos, após serem resgatados de uma casa onde foram submetidos ao uso de substâncias ilícitas.

Hoje aos 29 anos, ela tem cinco filhos, os três com mais de 20, 18 e 16 anos que são adotados e os dois mais novos que são as filhas do seu marido.

“Meus filhos são malucos, são cheios de personalidade e sempre fazem alguma coisa que me deixa com raiva e me frustra (…) Mas ao mesmo tempo são crianças e vão simplesmente te abraçar e dizer ‘Eu te amo, mãe’. Eles são muito gentis (…) Minha família passou por muitas coisas e muitas pessoas olham para minha família e acham que sempre foi fácil e que não temos dias difíceis, mas isso não é verdade (…) será sempre será difícil, mas sempre valerá a pena.”, disse Casey Douglas ao Metro.

Atualmente, Casey trabalha como analista de dados e tem um relacionamento com Peter, que é pastor de igreja e trabalhou com Casey para ajudar crianças de famílias de baixa renda. Ele até realizou uma vasectomia para demonstrar que sua decisão de adotar, como sua esposa, não era um “Plano B”.

Até que chegou o dia em que receberam, após um processo árduo, licenças de nove meses para serem pais adotivos.
“Não são bebês nem crianças, mas sabia que poderíamos oferecer um lar amoroso para uma criança mais velha (…) A necessidade de famílias adotivas para crianças mais velhas e adolescentes está no limite e eu também queria fazer algo que realmente fizesse a diferença (…) Muitas pessoas vêem os pais adotivos de crianças mais velhas como santos, mas é muito simples; se você tem um coração para as pessoas e um coração para o amor, é algo natural (…)”, disse Casey.

Foi assim que eles receberam a visita de um representante da agência de adoção, que os apresentou a Randall. Naquela época, um menino de 16 anos que trazia consigo apenas uma vara de pescar e duas sacolas de roupas.

Adolescente que passou os primeiros 11 anos de vida com a avó até ela adoecer, depois foi de casa em casa sem encontrar seu lugar. Uma família que lhe daria o que tanto procurava . E o que encontrou em Casey, que só conseguiu formalizar a adoção quando o jovem completou 18 anos.

***
Redação Conti Outra, com informações de UPSOCL.
Fotos: Casey Douglas.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.