José Bernardo Silva, que nasceu em 14 de junho de 1918, é provavelmente o trabalhador com carteira assinada mais velho do Brasil. Aos 104 anos de idade, ele integra o quadro de funcionários de um supermercado da cidade de Pouso Alegre, no sul de Minas Gerais.

O idoso, que é conhecido como “Vô Bernardo”, acorda todo dia às 6 horas para ‘pegar no batente’. “Levanto, lavo a cara, como dizia minha avó, vou fazer um café, nós tomamos e fico sentado esperando o horário de ir para o serviço”, contou Bernardo ao site Mais Goiás.

Vô Bernardo chega ao seu local de trabalhao logo que a loja abre, veste um agasalho e dá início às tarefas do dia. “Chego aqui e já olho se tem carrinho, vou juntando e coloco no lugar certo, essas cestinhas que ficam abandonadas por aqui e por ali eu junto tudo, ponho no lugar, volto e pego mais. É desse jeito, o dia inteirinho”.

O idoso é funcionário registrado da empresa desde 6 de maio de 2009. “Meu irmão já havia encontrado ele várias vezes, varrendo rua e depois encontrou em uma instituição trabalhando de servente de pedreiro. Aí nós trouxemos ele para cá, convidamos ele a trabalhar e ele aceitou e está aí conosco”, contou Carlos Magno Fonseca, sócio do supermercado.

José Bernardo nasceu em Cachoeira de Minas e lembra sua trajetória em detalhes. “Com 10 anos já trabalhava com a minha mãe ajudando ela no retiro de leite para fazer queijo. Daí para frente fui para a roça trabalhar com os meus tios, para apanhar café. Foi indo desse jeito, melhorando um pouquinho, mas, sempre ganhando pouco”.

Sua esposa e sete dos seus 13 filhos já faleceram. Com pouco estudo, ele aprendeu somente a ler e escrever o próprio nome. Seu primeiro trabalho formal foi na Sociedade Brasileira de Eletricidade, nos anos 1970.

“Trabalhei na SBE, puxando fio no mato, montando as torres, de lá de São Paulo para cá. Fui até Araguari e lá terminando o serviço vim embora para casa. Trabalhava na roça, de retireiro, para aqui e para ali e até que hoje graças a Deus estou trabalhando no mercado”.

Para “Vô Bernardo”, o trabalho é o que ele tem de mais importante da vida. “Porque a gente trabalhando a gente tem o dinheirinho para comprar as coisas para beber, para vestir, para remédio. Eu gosto de trabalhar, estar no meio do pessoal, a gente diverte um pouco. E quando chega em casa a gente está mais alegre porque ganhou o dinheiro para sustentar a família”, comemora.

***
Redação Conti Outra, com informações de Mais Goiás.
Fotos: Reprodução/Youtube.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.