Idosa que vivia em cárcere privado e sofria maus-tratos é resgatada em Guaratiba, no Rio

Nesta terça-feira (13), uma idosa de 74 anos foi resgatada pela polícia depois de ser encontrada em situação de cárcere privado e sofrendo maus-tratos.

CONTI outra

Nesta terça-feira (13), uma idosa de 74 anos foi resgatada pela polícia depois de ser encontrada em situação de cárcere privado e sofrendo maus-tratos em uma casa da rua Breno Acioli, em Guaratiba, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Maria das Graças de Sousa Rodrigues, que é do Maranhão, só foi resgatada graças a uma sobrinha que a procurava e ligou para uma vizinha para saber sobre a tia.

Segundo informações do G1, a sobrinha denunciou o caso na 43ª DP, em Guaratiba, e, nesta terça, ajudou os policiais a localizarem o endereço – que fica a 900 metros da delegacia.

Logo que foi informada que o número não correspondia ao endereço que tinha, a sobrinha pediu para que a vizinha, Leandra da Costa, se deslocasse até o local para tentar encontrar sua tia.

Leandra da Costa: a vizinha que ajudou a resgatar dona Maria — Foto: Divulgação

No local indicado, Leandra encontrou Maria das Graças bastante magra e debilitada, usando trapos e rodeada de cachorros.

Quando Leandra indagou se a idosa morava ali, ouviu que sim, mas ao pedir para que ela saísse para que pudessem conversar melhor, ouviu que não tinha acesso à chave e que “Dona Therezinha” não deixava ela sair, nem gostava que ela falasse com alguém.

Dona Maria depois de resgatada posa com a inspetora que a ajudou e com a sobrinha Raquel — Foto: Divulgação

“Dona Therezinha” é Therezinha da Silva Moraes, de 82 anos, responsável por manter Maria das Graças presa em condições precárias.

Dona Maria das Graças chegando à delegacia depois de ser resgatada — Foto: Divulgação/Divulgação

Ao RJ2, Therezinha afirmou que Maria estava bem e que os vizinhos preocupados com a situação da senhora estavam mentindo.

De acordo com a polícia, ela deve ser indiciada por cárcere privado e maus-tratos.

“Eu recebi o telefonema da sobrinha dela, publiquei a história nas minhas redes sociais para ver se alguém sabia de algo no endereço e, como ninguém falou nada, fui lá pessoalmente. Até agora não sei o que me deu para insistir nessa história e ir atrás, mas estou muito feliz de ter conseguido tirar dona Maria daquele lugar”, contou Leandra ao G1.

Ainda segundo a vizinha, no primeiro contato, a idosa disse que ia ver com a “patroa”, que também morava no mesmo endereço, se podia sair para conversar, mas não voltou mais.

“Eu insisti, mas ela não voltou. Depois, voltei à noitinha, insisti e ela veio. Perguntei se ela queria ajuda para sair dali e ela disse que sim”, disse.

Depois do resgate, dona Maria das Graças reencontrou os parentes na delegacia.

***
Redação Conti Outra, com informações de G1.
Fotos: Divulgação.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.