O protagonista dessa história é Paul Steklenski, um veterano do Exército dos EUA, que decidiu aprender a pilotar aviões e até comprou sua própria aeronave para poder resgatar centenas de animais que estavam prestes a ser sacrificados em vários abrigos nos Estados Unidos.

Esse trabalho maravilhoso começou quando Paul resolveu adotar uma cadela sem-teto a quem chamava de Tessa, mas quando foi ao centro de resgate para levá-la para casa, percebeu a grande quantidade de animais que são sacrificados nos abrigos porque não foram adotados depois de um tempo. Acontece que os centros de resgate não tem recursos suficientes para manter os animais permanentemente.

Diante dessa situação, Paul passou a se envolver com a causa animal para promover a adoção de animais em centros de resgate. Como coincidentemente em 2013 ele havia se inscrito em um programa para aprender a voar como hobby, decidiu aproveitar a oportunidade para poder resgatar um maior número de animais em risco de serem sacrificados e ajudá-los a encontrar um lar com uma família responsável.

“Quando comecei a voar, houve momentos em que pensei em largar porque achava que não conseguiria, mas continuei tentando. Depois de obter a certificação, pensei: ‘O que vou fazer agora?’… Muitos pilotos gostam de voar para bons restaurantes ou belos lugares e isso é ótimo, mas eu tinha que ter um motivo diferente para voar”, comentou Paul.

Em 2015, depois de obter sua licença, Paul criou uma organização chamada Flying For Animal Rescue e desde então salvou centenas de animais vítimas de abusos, negligenciadas e em risco de serem sacrificados.

“Ver os cães no abrigo foi de partir o coração. Era horrível pensar que havia tantos animais sendo sacrificados porque estavam presos em uma determinada área. Quanto mais ao sul você for, maior será o problema de superlotação de animais. É angustiante. Percebi que poderia ajudar a fazer a diferença indo até lá, recolhendo-os e levando-os para outros abrigos”, acrescentou.

Paul comentou que, com o seu avião, conseguiu salvar um maior número de animais graças às facilidades proporcionadas por este tipo de transporte. “O avião é uma ferramenta que me permite fazer em um dia muitas coisas que não poderia fazer em um ônibus. É um trabalho extremamente emocionante e também muito gratificante”, comentou.

Além disso, Paul destacou que seu avião transporta em média 23 animais, entre cães e gatos, e eles são os melhores passageiros. “Assim que o motor liga, eles adormecem ou ficam acordados olhando pela janela. É sempre muito quieto. Nunca tive nenhum problema. Tenho a sensação de que eles sabem que algo melhor lhes vai acontecer”, acrescentou.

Por fim, o americano comentou que quando visita abrigos para salvar animais que estão perto do sacrifício, ele os leva para centros de resgate em Nova Jersey e Pensilvânia, onde podem ficar seguros e têm maior probabilidade de serem adotados.

Sem dúvida, uma tarefa magnífica através da qual muitos animais foram salvos.

***
Redação Conti Outra, com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.