Há verdades que só a distância mostra

É preciso cautela para não meter os pés pelas mãos vendo amor onde nunca existiu. É necessário se esforçar para buscar na memória cada motivo que fomentou o fim do relacionamento e mostrar ao coração que não é possível deferir o pedido dele.

Você já percebeu como a distância amplia as qualidades de alguém que, por alguma razão, saiu da nossa vida? É como se tudo aquilo que incomodava fosse se distanciando da realidade, perdendo a força e, chegando a ficar praticamente irrelevante. As qualidades são ampliadas, como se fossem vistas com lentes de aumento, enquanto os defeitos são percebidos com olhos míopes.

Em contrapartida, a convivência tende a evidenciar os defeitos do outro, deixando as virtudes meio embaçadas. Na convivência rotineira, os defeitos são maximizados e as qualidades vistas com olhos míopes. Aquilo que o parceiro possui de positivo, passa a ser visto como obrigação, nem sempre despertando o nosso devido reconhecimento.

Há casos em que, de fato, a percepção ampliada acerca dos atributos positivos do ex- parceiro é real. Ou seja, a pessoa era mesmo incrível, mas, suas virtudes não foram devidamente valorizadas ou mesmo percebidas. Então, pode acontecer uma reconciliação e o relacionamento ganhar um outro formato e prosperar. Há casos em que uma ruptura atua como uma ferramenta poderosa, possibilitando uma ressignificação da antiga relação numa outra muito gratificante.

Por outro lado, há, também, casos em que a pessoa enxerga o que nunca existiu, movida pela carência e pela saudade. Ela passa a romantizar as migalhas que recebia no ex relacionamento como se fossem verdadeiros banquetes. Ela se esquece de que ela mais chorava do que sorria. Esquece que a traição era uma rotina, que não era valorizada, enfim, pode ser que se esqueça até das agressões físicas, há casos.

É preciso cautela para não meter os pés pelas mãos vendo amor onde nunca existiu. É necessário se esforçar para buscar na memória cada motivo que fomentou o fim do relacionamento e mostrar ao coração que não é possível deferir o pedido dele. O coração tem preguiça de pensar, então, que a razão faça o papel dela, direito. Mas, é possível também que o coração enxergue uma realidade que o comodismo nunca parou para perceber quando a convivência existia, vale a pena colocar tudo na balança e, ouvir os dois lados.

***

Photo by David Bartus from Pexels

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Sou uma mulher apaixonada por tudo o que seja relacionado ao universo da literatura, poesia e psicologia. Escrevo por qualquer motivo: amor, tristeza, entusiasmo, tédio etc. A escrita é minha porta voz mais fiel.