Guilherme de Pádua, de 52 anos, não tem mais um perfil público no Instagram. Desde o anúncio de um documentário sobre a atriz Daniella Perez, que teve a vida interrompida aos 22 anos, ele excluiu o perfil com cerca de 40 mil seguidores e criou outro, privado. As informações são do Jornal Extra.

Glória Perez com a filha Daniella Perez, em 1991 Foto: Paulo Rubens Fonseca / Agência O Globo

Guilherme de Pádua, que hoje é pastor de uma igreja evangélica em Belo Horizonte (MG), também parou de atualizar seu canal no YouTube, no qual vinha, há dois anos, postando vídeos sobre sua conversão.

No perfil de Instagram deletado, Guilherme de Pádua chegou a posar como garoto-propaganda de uma clínica de estética, onde ele e a atual esposa, a maquiadora Juliana Lacerda, fizeram tratamento de graça em troca de divulgação.

Juliana Lacerda e Guilherme de Pádiua. Foto: reprodução/facebook
Gulherme de Pádua com a mulher, Juliana, quando divulgaram clínica em rede social Foto: reprodução/ instagram

O documentário, que tem direção de Tatiana Issa e Guto Barra, irá trazer à tona detalhes sobre o crime brutal que resultou no óbito de Daniella Perez. A produção conta com o apoio e os depoimentos da autora Glória Perez, mãe da atriz, e de Raul Gazolla, seu ex-marido, entre outros. “Essa série trata de tópicos importantes. […] mas sobretudo conta a história da luta de uma mãe, que mesmo depois de 30 anos, continua lutando como uma leoa”, disse a diretora ao anunciar o projeto.

Um crime que abalou o país

Em 28 de dezembro de 1992, Guilherme de Pádua e sua mulher na época, Paula Thomaz, tiraram a vida da atriz Daniella Perez. Guilherme e Daniella atuavam com um casal na novela “De Corpo e Alma”, que era escrita pela mãe da atriz. Ele interpretava Ubirajara Rodrigues e ela Yasmin.

Segundo testemunhas, o ex-ator tirou a vida de Daniella por achar que seu personagem estava perdendo destaque na novela. Em 25 de janeiro de 1997, Guilherme de Pádua foi condenado a cumprir 19 anos de prisão. Ele deixou a prisão em 1999, após cumprir seis anos, nove meses e vinte dias da pena em regime fechado.

***
Redação Conti Outra, com informações de jornal Extra.
Fotos: Reprodução/Redes Sociais.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.