No ano de 2007, André Bauma, um dos colaboradores do “Projeto Gorila Órfão” do Parque Nacional de Virunga, na República Democrática do Congo, salvou uma pequena gorila de apenas dois meses que foi encontrada agarrada à mãe que infelizmente havia falecido após tomar um tiro. O guarda florestal fez todo o possível para protegê-la e depois cuidou dela por 14 anos, até o dia em que ela se foi.

Ao longo dos anos, André formou um vínculo maravilhoso com o gorila, a quem batizou de Ndakasi e, de acordo com o site do Parque Nacional de Virunga, quando os guardas a encontraram, ela estava muito desidratada, em estado de choque e com muito medo: “André Bauma foi chamado para tentar mantê-la viva à noite, embora ninguém pensasse que ela iria sobreviver. Em meio a uma tempestade de chuva torrencial que durou a noite toda, Andre segurou a bebê Ndakasi com força e a apoiou no peito para mantê-la aquecida e confortá-la. Milagrosamente, ela sobreviveu e cresceu para ser uma adolescente feliz, saudável e turbulenta.”

Desta forma, Ndakasi fazia parte do Projeto Gorilas Órfãos e vivia junto com outros gorilas em um santuário onde recebia todos os cuidados de André, sua pessoa preferida, e também dos demais guardas-florestais e veterinários do Parque Nacional de Virunga.

O parque onde Ndakasi cresceu é “A única instalação no mundo para gorilas da montanha órfãos”, como diz o site da ornização. O centro de atendimento conta com uma equipe especializada que cuida diariamente de gorilas órfãos que foram separados de suas famílias devido ao impacto da caça ilegal”.

Além disso, o Centro Senkwekwe do Parque Nacional de Virunga possui um ecossistema arborizado, onde os gorilas podem ficar em um espaço natural e ainda receberem cuidado e carinho dos veterinários e cuidadores.

Ndakasificou famosa há alguns anos por uma fotografia que viralizou, na qual é vista ao lado de outro gorila imitando a postura de dois tratadores enquanto tiravam uma selfie.

Embora Ndakasi se desse muito bem com os outros gorilas órfãos e com os cuidadores do santuário, sua pessoa favorita continuou a ser André ao longo dos anos e, por isso, quando ela adoeceu, ele se encarregou de protegê-la novamente para dar-lhe todo o seu amor em seus últimos meses de vida.

Infelizmente, Ndakasi faleceu após 14 anos e nos braços de André, que expressou em um comunicado público do Parque Nacional de Virunga que: “Foi um privilégio apoiar e cuidar de uma criatura tão amorosa, especialmente sabendo do trauma que Ndakasi sofreu ainda tão jovem.

O cuidador e os outros guardas do parque se despediram de Ndakasi e, embora sua perda tenha sido muito dolorosa, eles continuam seu trabalho para proteger gorilas órfãos para aumentar a conscientização sobre os terríveis danos que a caça furtiva causa a milhares de animais.

***
Redação Conti Outra, com informações de Nation, com informações de Nation.
Fotos: Reprodução.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.