Girafa órfã se aconchega no ombro de um de seus tratadores após perder sua família.

Capturada pelo fotógrafo Ari Vitale no Quênia, a imagem retrata delicadamente a dura realidade das girafas reticuladas na África.

Ana Carolina Conti Cenciani

Capturada pelo fotógrafo Ari Vitale no Quênia, a imagem retrata delicadamente a dura realidade das girafas reticuladas na África: devido ao desmatamento e à caça furtiva, o número de indivíduos dessa espécie caiu 40% desde o final de os anos 80.

Embora a consciência de cuidar do meio ambiente e dos seres vivos já esteja cada vez mais difundida pelo planeta, ainda temos que sofrer com a presença de caçadores e indústrias que atacam o meio ambiente, destroem habitats e sacrificam espécies para atingir seus objetivos e fins extrativistas.

Por esta razão, muitas espécies de animais estão tendo sua sobrevivência ameaçada neste planeta e há cada vez menos espaços onde podem transitar e habitar com segurança.
Na África, especificamente no santuário natural Sarara Camp, localizado na fronteira norte do Quênia, o fotógrafo americano Ami Vitale retratou um momento que poderia ser descrito como terno e triste ao mesmo tempo.

A imagem, publicada no Instagram da National Geographic – onde Vitale é fotógrafo colaborador – mostra uma girafa reticulada (ou girafa somaliana) recebendo um abraço e carinho de Lekupania, um dos zeladores do santuário. Enquanto isso, o animal “envolve” o homem com seu pescoço comprido, como se ele precisasse do abraço.

Ami Vitale

A publicação também explica que esta girafa, órfã de pai e mãe devido ao extermínio, foi reabilitada e voltou ao seu habitat natural, como vários de seus colegas no passado. No entanto, agora as girafas reticuladas estão passando por um momento difícil, que muitos denominaram de “extinção silenciosa”.

A população de girafas na África está sofrendo um declínio progressivo ao longo do tempo: relatos dizem que nos últimos 40 anos, o número de girafas caiu 40%, de 155.000 no final dos anos 1980 para menos de 10.000 hoje em dia. Como mencionamos no início, as principais causas desse declínio são a perda de seu habitat natural, fragmentação e caça furtiva.

Fight of two giraffes. Africa. Kenya. Samburu national park.

Essa situação ocorre muito longe daqui, em outro continente até, mas na América Latina também estamos experimentando esses extermínios de nossas espécies endêmicas: felinos, pássaros e uma longa lista de animais que veem seu mundo cada vez menor.

E embora esta matéria não vá fazer com que haja menos caçadores ilegais no mundo, ou impedir que as indústrias parem de desmatar, temos o interesse em dizer que estamos cientes do assunto e que nossa missão é estender a informação a todos vocês. A mudança é agora!

 

Com informações de UPSOCL

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Ana Carolina Conti Cenciani
Ana, 19 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui notícias que são boas de se ler.