Na última sexta-feira (13), um assalto marcou a vida dessa mulher e seu filho. Tatiana Carvalho, de 40 anos, levava seu filho de 7 anos para a escola, no Engenho de Dentro, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Em entrevista a G1, a mãe conta que o momento foi aterrorizante e que os criminosos estavam armados. Depois do ocorrido, os dois voltaram para a casa e a avó da criança deu-lhe alguns papéis para desenhar, na tentativa de acalmá-lo.

Foto: Reprodução G1

O que as duas não esperavam, é que o menino reproduziria a cena que tinha acabado de viver, em seus desenhos. Nas folhas de papel, ele desenhou a mãe com as mãos para o alto, sendo rendida pelos assaltantes. Além do momento em que um dos homens ordenava ao comparsa: “Mata ela!”.

Foto: Reprodução G1

“Eu demorei a entender o que estava acontecendo. De repente, a gente foi interpelado por uma moto com dois homens de capacete, eles falaram alguma coisa, eu não entendi e ainda dei uns dois passos para frente, até que eles começaram a gritar que era um assalto, ‘perdeu!’, e eu fiquei desesperada”, contou Tatiana.

Tatiana demorou para entregar a bolsa, o que gerou uma reação agressiva dos criminosos, que apontaram a arma para a mulher.

O garotinho fez outro desenho que representa o lugar que sua mãe iria caso tivesse a vida tirada pelos assaltantes. Na folha ele retratou o céu, com anjos, Deus, São Pedro, Maria, José e animais que já fizeram parte de sua família.

Foto: Reprodução G1

“Foram segundos. Os piores segundos da minha vida. Como mãe, eu sempre me senti uma supermulher, que consigo proteger meu filho, colocá-lo em primeiro lugar. Eu me senti extremamente vulnerável, e ali tinha quase certeza de que ia morrer”, afirmou a mãe.

No momento do assalto, Tatiana jogou a bolsa em direção aos criminosos e correu, mesmo sabendo que ser atingida pelas costas. Na fuga, mãe e filho desviaram de um carro e a mulher chegou a cair, ficando ferida. Ela conseguiu atendimento em uma UPA.

“Eu já tinha conversado com o meu filho sobre situações dessas, até porque, umas três semanas atrás, voltando com ele da academia onde eu faço atividade física, a gente presenciou um assalto do outro lado da calçada e ele ficou muito nervoso. A gente acelerou o passo e entramos em uma lanchonete. Eu conversei que, se acontecesse alguma coisa desse tipo com a gente, era para que ele ficasse quietinho, não reagisse, não falasse nada.”, relatou.

Alguns dos pertences que estavam na bolsa de Tatiana foram deixados para trás e devolvidos por um homem que passava pela rua.

“Eu estou com muito medo, ele também. Ele não quis ir para a escola no dia. Ainda não quer ir para a escola, só quer ficar comigo e estou me sentindo extremamente impotente. Confesso que tenho medo de sair com ele. Eu sempre me achei segura, aquela coisa de mãe proteger os filhos. Eu estou bastante abalada”, completou a mãe.

Com informações de G1

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.