Gal Costa marcou muitas gerações com seu talento na música brasileira. A cantora faleceu recentemente, aos seus 77 anos e comoveu o Brasil.

O talento de Gal era tanto que ela era homenageada ainda viva e chegou a acompanhar sua vida sendo retratada no longa “Meu nome é Gal”, com lançamento previsto para março de 2023.

Foto: Stella Carvalho/Divulgação

Como protagonista, a atriz Sophie Charlotte foi escalada para vivê-la nas telas.

“É um grande privilégio interpretar Gal no cinema. Me sinto vivendo um verdadeiro sonho”, disse a atriz, durante as gravações. Ela ainda contou que sua música preferida no repertório da cantora é justamente a que dá nome ao longa.

Foto: Stella Carvalho/Divulgação

“Meu nome é Gal” não chega a ser uma cinebiografia, mas retrata parte da trajetória de Maria da Graça Costa Penna Burgos, uma menina que desde pequena sabia que a música guiaria seus caminhos.

Foto: Stella Carvalho/Divulgação

Sua mãe, Mariah, a chamava de Gracinha e foi uma de suas grandes influências. A mulher a criou sozinha e desde sempre a estimulou a correr atrás de seus sonhos. Por isso, aos seus 20 anos, Gracinha viajou rumo ao Rio de Janeiro para se tornar cantora. E foi lá que a jovem encontrou amigos com interesses em comum: Caetano Veloso, Maria Bethânia, Gilberto Gil e Dedé Gadelha.

Foto: Stella Carvalho/Divulgação

O longa é dirigido por Dandara Ferreira e Lô Politi, que também assina o roteiro, e traz nomes importantes como Rodrigo Lelis (Caetano Veloso), Dan Ferreira (Gilberto Gil), Camila Márdila (Dedé Gadelha), George Sauma (Waly Salomão), Luis Lobianco (o empresário Guilherme Araújo), entre outros. Ferreira também fez parte do elenco, interpretando Maria Bethânia, e Fábio Assunção faz uma participação especial como um diretor de televisão.

Foto: Stella Carvalho/Divulgação

“A Gal é a resistência pelo corpo, pela arte, pela moda, pelo comportamento. No fim, a gente compreendeu que aquilo ali é uma mulher se fazendo, se potencializando e se libertando”, disse Sophie em entrevista ao GLOBO durante as filmagens da produção.

“Tive bastante tempo para ir desfolhando as camadas dessa mulher extraordinária. Meu processo foi de aproximação e reverência.”, completou.

Com informações de Extra

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







Ana, 20 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui matérias que são boas de se ler.