Filho viajou o mundo com sua mãe idosa depois que ela foi diagnosticada com Alzheimer

A família queria que a idosa fosse para uma casa de repouso, mas ele recusou a ideia e decidiu viajar o mundo com a mãe. E a ideia não poderia ser mais acertada: “Achava que a doença de Alzheimer era apenas um declínio, mas quando chegamos ao Nepal ela começou a recuperar as capacidades.", disse ele.

CONTI outra

Em 2013, o irlandês Sean O ‘Sallaigh recebeu na sua residência em Roma uma das notícias mais tristes e preocupantes que pode chegar a alguém. Sua amorosa mãe, Mary O’Niel, na época com 77 anos, foi diagnosticada com Alzheimer. Mas, longe de desistir, ele decidiu acompanhá-la e fazê-la feliz durante sua doença.

Fpi assim que, em 2018, o inverno chegou na Irlanda e, em busca de uma saída para aqueles dias frios e nublados, ele decidiu fazer uma viagem com a mãe para fora do país.

Porém, apesar de Sean nunca ter tido em seus planos viajar quase metade do planeta, a felicidade de sua mãe foi tão grande no tempo em que estiveram fora da Irlanda, que ele ficou entusiasmado e juntos percorreram vários países. Eles vagaram pelas areias da África do Sul, escalaram as montanhas da Itália e até puderam participar de um festival de cores no Nepal.

Mas claramente um dos eventos mais impressionantes durante sua longa jornada foram as melhorias médicas de Mary. Porque a mãe idosa de Sean começou a andar e falar novamente enquanto eles visitavam novos lugares que eles não estavam familiarizados.

“Achava que a doença de Alzheimer era apenas um declínio, mas quando chegamos ao Nepal ela começou a recuperar as capacidades (…) O neurologista me disse que pessoas positivas e felizes ficam mais felizes com o avanço da doença de Alzheimer (…) Ela tinha razão: mamãe parecia ficar mais jovem e feliz (…) Ela pretendia voltar depois de alguns meses (…) Fazia calor e ela podia sair muito (…) A gente ia passear na beira do lago e ver as crianças brincarem. Elas vinham e sentavam com a gente nos cafés e falavam com ela o tempo todo e ela com eles (…) As crianças escovavam os cabelos dela (…) Chamavam-na devovó e ela dizia ‘namaste’ para todo mundo ”, disse Sean O ‘Sallaigh ao Daily Mail.

Tudo começou quando em 2018 a família começou a discutir sobre a transferência dela para uma casa de repouso. Algo que Sean não gostou, então ele resolveu resolver o problema e levou-a para o Nepal e depois para outros lugares. Ele não queria deixá-la sozinha com as enfermeiras, embora soubesse o quão independente ela tem sido ao longo de sua vida. Por exemplo, quando ele era jovem, enfrentando o alcoolismo e a violência de seu pai, ela pediu ao então marido que fosse embora.

Seu pai tinha abandonadao a família quando os filhos eram pequenos e sua mê criou as crianças como mãe solteira, mesmo em uma época em que isso era muito desaprovado pela sociedade, tendo que lutar muito para seguir em frente. Por isso e muito mais, Sean sempre foi grato pelo que sua mãe idosa fez por ele.

Primeiro ele a levou para morar no apartamento dele em Roma e depois continuaram a viajar para outros cantos daquele país até chegarem à Umbria, ambos morando nas montanhas com uma amiga.

“Ela reconheceu Roma porque a tinha levado muitas vezes ao meu apartamento (…) Tinha restaurantes favoritos para visitar e igrejinhas que ela adorava (…) Ela achava hilariantes as vacas e cabras com sinos no pescoço (…) Todos o que ela conheceu na Itália falava com ela e queria beijá-la, ela adoro”, disse Sean O ‘Sallaigh.

Depois de cinco meses, eles foram para a Cidade do Cabo, na África do Sul, e apesar da doença de Mary, Sean sempre se preocupou em garantir que ela gostasse dos novos países e culturas que estavam conhecendo. Para ajudá-lo nos cuidados da mãe, ele decidiu contratar uma cuidadora chamada Glória, com quem Mary se dava muito bem. Ela fazia lindas tranças que deixavam a mãe de Sean fascinada.

Infelizmente, Mary faleceu em 24 de maio de 2019 na África do Sul, após uma infecção no peito. Sean gostou muito de ficar com ela nos últimos anos, mesmo tendo deixado de lado sua empresa de turismo, a Angel Tours, e rompido com seu parceiro para passar mais tempo com sua mãe.

“Sinto-me terrivelmente triste porque minha família não a viu novamente, mas não puderam ajudar a cuidar dela, e ela precisava estar segura e feliz”, concluiu ele ainda chorando, mas satisfeito com tudo o que pôde fazer por ela.

***
Redação Conti Outra, com informações de UPSOCL.
Fotos: Reprodução- Sean O’Sallaigh / Instagram

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.