Devido à a alta no preço da carne, a família da doceira Angelita Pereira de Oliveira, de São José, na Grande Florianópolis, se viu obrigada a deixar de consumir o produto há pelo menos dois meses. A opção foi passar a consumir ossos de boi e de porco comprados em açougues.

“Antigamente, os açougueiros faziam doação desses ossos. E hoje em dia, não. A gente vai no açougue, a gente pergunta é ‘ó, é R$ 5, é R$ 10’. Depende o peso, né. É uma alternativa para gente poder dar um gostinho na comida”, disse Angelita ao G1.

NSC TV/Reprodução.

Angelita, que vive em uma casa alugada, extrai sua renda dos pedidos de doces que recebe. Porém, as vendas também estão baixas, segundo ela.

“A [compra da] carne não tem mais condições. O [preço] frango está aumentando demais também. Vai num dia, é um preço. Vai no outro dia, já é outro valor. Então, está pesando demais mesmo”, afirma a doceira.

Foto: NSC TV/Reprodução

A única pessoa da família com emprego fixo é o marido dela, Devervir de Souza. Além dos ossos para o consumo próprio, a família ainda compartilha sopas que faz com famílias carentes da cidade duas vezes por semana.

“Não tem mais condições da gente comprar carne, não tem. A gente se vira como pode. Ir no mercado, hoje, está um caos. Você vai lá com R$ 500 e tu não traz mais nada. É muito caro a mercadoria”, afirma o zelador Devervir de Souza.

Na quarta-feira (6), depois de ter viralizado nas redes sociais a imagem de uma placa em um açougue informando que os ossos seriam vendidos e não doados, a Procuradoria de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) emitou uma nota técnica recomendação pede que os estabelecimentos, como açougues e mercados, não vendam osso de boi.

De acordo com o diretor do órgão, Tiago Silva, a prática pode ferir Código de Defesa do Consumior por exigir dele “vantagem manifesta excessiva”.

“No momento de crise que estamos vivendo é até desumano que esses estabelecimentos estejam cobrando por ossos”, disse Silva.

***
Redação Conti Outra, com informações de G1
Foto destacada: NSC TV/Reprodução.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.