Tratamentos estéticos não curam rugas da alma

Mas, por dentro somos nus! Não há enfeite que dê jeito numa alma mequetrefe!

Eu sou muito vaidosa, e cheirosa!
Faço questão de andar com as unhas feitas, das mãos e dos pés!
Adoro cremes para tudo quanto é cantinho de pele.
Só uso perfume cítrico! Detesto perfume doce!
Não tenho temperamento para usar cabelo comprido, faz tempo! Amo cabelinhos curtos!
E, também, vivo mexendo no cabelo! Corto mesmo! Nem adianta prometer pra cabeleireira que nunca mais vou fazer isso, porque é mentira!
Nunca saio de casa sem passar filtro solar e batom.
Nunca tive “roupa de ficar em casa”. Aprendi com meus filhos a ter “pijamas” que já foram uma roupa gostosa… tipo uma evolução! hehehe
Tudo isso (menos o lance do pijama), eu aprendi com a minha mãe.
Mas… comigo mesma eu aprendi que a aparência é uma coisa absolutamente efêmera. Que existe beleza na maturidade do corpo e dos traços do rosto. Que aquilo que nos mantém de pé e vivos e cheios de vida, não é um corpo perfeito, um cabelo de capa de revista, um sorriso de propaganda de creme dental ou um figurino digno de editoriais da Vogue.
O que a gente é lá dentro, não precisa de cremes, nem de perfumes, nem de manicure, nem de cabeleireira. Nada disso!
Por dentro somos nus! Não há enfeite que dê jeito numa alma mequetrefe!
E, outra coisa, por mais que a gente se esforce e lute e se mate para fazer tudo bem feito, sempre vai ter um espírito de porco com disposição para tentar nos derrubar, ferir ou magoar.
Sendo assim… Arrume-se por fora, segundo sua força e sensibilidade internas!
O batom, o esmalte, o perfume, o cabelo… têm que combinar com essa pessoa linda que você é por dentro.
O resto? O resto é o resto!

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Ana Macarini
"Ana Macarini é Psicopedagoga e Mestre em Disfunções de Leitura e Escrita. Acredita que todas as palavras têm vida e, exatamente por isso, possuem a capacidade mágica de serem ressignificadas a partir dos olhos de quem as lê!"