Este dono de mercado flagrou jovem furtando e lhe ofereceu comida ao invés de chamar a polícia

“Não vai fazer qualquer diferença para mim se eu lhe der alguma comida, porque nós temos muita comida, nós vendemos muita comida”, disse . “Se ele for preso, ele definitivamente não fará nada de bom na vida.”

CONTI outra

Ele poderia ter chamado a polícia ( e estava no seu direito) ao ver adolescente furtando comida em seu mercado, mas o dono do estabelecimento optou por lhe oferecer comida para o jovem levar para casa. Jitendra Singh estava trabalhando em seu mercado em Toledo, no estado de Ohio (EUA), quando um de seus empregados informou sobre a atividade suspeita de um jovem. Após rever as filmagens das câmeras de segurança, Singh pode perceber que o jovem estava furtando alguns lanches enquanto vagava pelos corredores.

Quando o adolescente se aproximou do balcão, Singh lhe pediu para mostrar todas as mercadorias escondidas em suas roupas – caso contrário, chamaria a polícia. O adolescente se defendeu explicando que estava roubando porque ele e seu irmão mais novo estavam famintos e não tinham nada para comer.

Em reação à resposta do jovem, o dono da mercearia disse ao jovem para pegar mais pizzas, sanduíches, frutas e carnes nos corredores para que ele pudesse levá-los para casa – sem custos.

Cedric Bishop, um cliente regular na loja, disse que ficou tocado ao presenciar o momento. Mais tarde, descreveu o incidente em um post no Facebook , elogiando o proprietário por sua atitude. “A operadora de caixa já estava ligando para a polícia quando o proprietário disse a ela para desligar”, relata Bishop. O dono então teria dito ao adolescente: “Isso que você pegou não é comida de verdade. Você quer comida, eu te darei comida”.

O próprio Bishop também se sentiu inspirado e deu ao rapaz várias sacolas com alimentos dos mais variados, além de US$ 10 que ele tinha no bolso. “Eu acho que o dono da mercearia fez algo simplesmente incrível,”, disse. “Alguns jovens só precisam saber que alguém se importa [com eles].”

Singh, por outro lado, não fez muito alarde sobre sua boa ação. Desde que abriu a loja, há cinco anos, diz que sempre tenta ajudar a comunidade – e essa foi apenas mais uma chance para ele cooperar com alguém em necessidade. “Não vai fazer qualquer diferença para mim se eu lhe der alguma comida, porque nós temos muita comida, nós vendemos muita comida”, disse . “Se ele for preso, ele definitivamente não fará nada de bom na vida.”

 

Via Psicologias do Brasil

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.