Essa família de alces invadiu o jardim de uma casa e o aproveitou da maneira mais deliciosa; confira fotos.

Os animais, não tão pequenos, se interessaram por tudo, desde as cadeiras até os vasos de flores e, quando perceberam que o quintal era um local seguro, se aconchegaram e até tiraram uma soneca.

Ana Carolina Conti Cenciani

Roland Rydstorm, de Anchorage, no Alaska, ficou bastante chocado quando olhou pela janela na semana passada. Ele recebeu alguns visitantes inesperados e super exóticos. Uma mamãe alce e seus dois filhotes se sentiram atraídos pelo quintal de Roland e então decidiram dar uma passadinha.

Os animais, não tão pequenos, se interessaram por tudo, desde as cadeiras até os portões e, quando perceberam que o quintal era um local seguro, se aconchegaram e até tiraram uma soneca. A certa altura, a mãe alce até mesmo deu um almoço aos bebês.

Felizmente, Rydstorm estava em casa para documentar a coisa toda. Depois de tirar as fotografias dos animais pacíficos e brincalhões, e gravar alguns vídeos, Rydstorm enviou o conteúdo para sua página do Facebook, onde recebeu mais visualizações do que ele imaginava. As pessoas se sentiram agraciadas com as lindas imagens feitas por Roland.

Pelos registros não percebemos o quão grandes esses animais são. O alce masculino do Alasca pode ficar acima de 2,1 m e pesar mais de 635 kg. Os alces fêmeas do Alasca, por outro lado, têm cerca de 1,8 m e podem pesar cerca de 478 kg. Isso faz do alce do Alasca o maior membro da família dos cervos, também é o maior alce do mundo.

Morando no Alasca, não é incomum encontrar um desses mamíferos notáveis. Ver um alce passeando pela rua não é nada fora do comum, e Raymond já havia visto vários alces durante sua vida. Mas nunca em uma situação como essa.

Os alces passaram quase o dia todo no quintal de Ronald, que pôde observá-los enquanto trabalhava em sua casa.

“Eu podia assisti-los diretamente do meu local de trabalho. Foi uma ótima distração e uma maneira divertida de passar o dia enquanto eu estava editando imagens de concertos para o meu trabalho na Anchorage Symphony Orchestra.”, contou.

 

“Durante todo o dia, quando o alce mudava de lugar para descansar ou se afastava e voltava, eu voltava para a janela para tirar mais fotos deles. Eles estavam alheios a mim a maior parte do tempo – embora seus ouvidos estivessem levantados a maior parte do tempo, então obviamente eles estavam alertas.”.

 

Com informações de Mystical Raven

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Ana Carolina Conti Cenciani
Ana, 19 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui notícias que são boas de se ler.