Imagem de capa: shevtsovy, Shutterstock

É o mínimo, sabe? Porque apesar de todas as partidas, é importante não pensar que foi tudo em vão. Assim como cada relacionamento que tive deixou algo de bom em mim, espero ter deixado também.

A primeira coisa que fazemos, após o fim de uma relação, é culpabilizar algum lado. Parece que torna a dor do adeus mais verdadeira. E assim, podemos enfim, seguir nossas vidas, muitas vezes, como se nada tivesse acontecido. Descartamos momentos unicamente para nos sentirmos melhores. E isso não chega a ser um julgamento de valor, claro que não. Amores possuem o seu próprio ritmo, a sua específica música tema.

Mas, quando você para e faz um levantamento de cada amor que teve, o que ficou? E o mais importante, o que você deixou? Relacionamentos são trocas que nos definem. Em todos os instantes vividos com alguém, sentimentos foram doados, mas também ensinados. Perceber a essência dessas experiências não é prêmio de consolação. Aceitar que, um dia, vocês deram certo e viveram sinceras emoções, é muito mais do que outras pessoas puderam ter orgulho de abraçar.

Ninguém é perfeito e tampouco completo ao ponto de ignorar quem já esteve por perto. Quando assumimos um relacionamento, estamos abrindo a porta para acompanhar e enxergar lados bons e não tão bons daquela pessoa. É uma escolha ficar, é uma escolha partir. Independente disso, depois que alguém entra, algo sempre fica. E algo sempre vai.

Pode ser que nada disso tenha o devido reconhecimento, assim, logo de cara. Para algumas pessoas, o tempo é simplesmente esquecido e elas nem se dão conta de que algo mudou. Também não é motivo para um tribunal amoroso. Certas vivências, levam tempo mesmo. Perspectiva é uma escolha, amadurecimento é uma escolha.

No fundo, apenas agradeço. Os relacionamentos que tive não foram colocados em uma tabela do melhor para o pior. Todos eles tiveram os seus ímpares nos meus pares. Fui feliz. Aprendi e guardei os recibos dos sorrisos de todos, sem distinção.

Espero ter deixado algo de bom em relacionamentos passados. Aqui, incontáveis coisas boas ainda repousam. Gratidão por tudo.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







"Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro"