Escultor de rua transforma uma árvore morta na imagem de Jesus Cristo: “Um presente de Deus”

“Isso é meu, pessoal, com os dons que Deus me deu. E eu não fiz com o propósito de arrecadar fundos, não há taças para colocar dinheiro. Este é um presente de Deus, portanto, tenho que passar as contas para ele”, diz o artista.

Ana Carolina Conti Cenciani

A fé cristã faz com que muitas pessoas queiram expressar sua admiração e fidelidade a Deus de diferentes maneiras, uma delas é através arte. Um escultor colombiano demonstrou como uma nova vida pode ser dada ao que se acreditava estar morto quando transformou uma árvore, já morta, na imagem de Jesus Cristo.

Pedro Ortega, de 47 anos, só precisou de suas mãos talentosas e de algumas ferramentas para fazer a nova escultura de madeira que adorna a cidade de Valledupar, no norte da Colômbia.

“Isso é meu, pessoal, com os dons que Deus me deu. E eu não fiz com o propósito de arrecadar fundos, não há taças para colocar dinheiro. Este é um presente de Deus, portanto, tenho que passar as contas para ele”, disse Ortega.

Ortega até então não havia demonstrado seu talento publicamente, ninguém sabia que ele era um artista. Por isso, surpreendeu a todos porque ninguém se aproximava para ver o que ele estava fazendo com aquela árvore seca.

Mello Castro González

Porém, à medida que o seu trabalho foi evoluindo e tomando forma, as pessoas começaram a perceber que se tratava de uma obra de arte que ele esculpia no “Parque de las Madres”.

“Deus colocou no meu coração, vim ver a obra do senhor e me chamou a atenção”, disse Indira Cuan, uma paroquiana que passava por ali, em conversa com a mídia local.

Mello Castro González

Tanto foi o alcance desta escultura que o próprio prefeito da cidade, Mello Castro González, parabenizou Ortega pelo seu trabalho e pela contribuição artística que agora deixou nas ruas de Valledupar.

Mello Castro González

“Valledupar é uma terra de folclore, de cultura, de alegria e por isso esses ambientes vão se tornar uma questão cultural de extrema importância para a cidade. Por isso estaremos abraçando os artistas, e que este acabe virando um destino turístico”, completa Castro González.

Joaquin Ramírez

Com informações de UPSOCL

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES




COMENTÁRIOS




Ana Carolina Conti Cenciani
Ana, 20 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui matérias que são boas de se ler.