‘Entubei dois colegas que morreram’, desabafa médico sobre descaso da população com a Covid-19

"Não está sendo fácil lidar com uma doença infecciosa tão complexa e com a negação dela por parte da população. Estamos todos exaustos, fisicamente e mentalmente. Tenho medo de adoecer ou de morrer dessa doença que ainda não entendemos direito", desabafou o médico.

CONTI outra

O médico Francismar Prestes Leal, de 51 anos, que atua na linha de frente do combate à pandemia do novo coronavírus, se vê às voltas com a exaustão e a revolta diante da recusa de muitas pessoas em acreditar nos riscos reais da Covid-19 e em se proteger contra a doença.

Ele atua há 20 anos nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), e passou cinco dias internado depois de ser diagnosticado com a doença. Ele chegou a entubar colegas de trabalho que não resistiram à Covid-19.

Francismar atua no cuidado de pacientes com a doença desde o primeiro caso registrado em Maringá, no norte do Paraná. São cerca de 200 horas mensais de trabalho em UTIs de dois hospitais da cidade.

“Não está sendo fácil lidar com uma doença infecciosa tão complexa e com a negação dela por parte da população. Estamos todos exaustos, fisicamente e mentalmente. Tenho medo de adoecer ou de morrer dessa doença que ainda não entendemos direito”, desabafou o médico.

Na última quinta-feira (3), Francismar foi internado com cerca de 30% do pulmão acometido pela doença. A esposa dele, de 38 anos, também precisou ser internada com um quadro ainda mais grave. Ela teve 50% do pulmão afetado e diagnóstico de embolia pulmonar em decorrência do coronavírus. Enfermeira, ela não tem doenças pré-existentes.

Ambos se recuperam em casa desde a terça-feira (8), com os quatro filhos. Todos tiveram diagnóstico positivo e apresentaram sintomas leves.

Médico Francismar e a esposa, ainda com oxigênio após testar positivo para Covid-19 — Foto: Francismar Prestes Leal/Arquivo Pessoal

Ao longo dos últimos meses, o médico viveu muitas situações difícies, com ter que entubar dois colegas de profissão que também atuavam com a Covid-19. Eles não resistiram.

“Entubei dois colegas, algo muito traumático para qualquer um, e os dois faleceram apesar de todo o esforço que fizemos. É terrível a sensação de perder colegas que lutavam tanto para salvar vidas, expondo-se e expondo seus amados”, lamentou.

De acordo com Francismar, um dos médicos havia recém terminado o período de residência médica. Jovem, deixou a esposa e dois filhos pequenos.

***
Redação Conti Outra, com informações de G1.
Crédito da foto de capa: Francismar Prestes Leal/Arquivo Pessoal.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.