Há pessoas que se preocupam constantemente em manter e reformar suas casas, seja fazendo reformas em seus pátios, em seus quartos ou em seus banheiros. Para isso, é necessário contratar pessoas que possam fazer esse tipo de trabalho: empreiteiros .

No entanto, há momentos em que os proprietários têm alguns problemas com eles em relação ao preço dos materiais que devem comprar e, às vezes, com o resultado da obra final, que pode variar conforme o planejado originalmente.

Em Colorado Springs, Estados Unidos, algo semelhante aconteceu: um empreiteiro voltou para a casa onde havia terminado um trabalho para destruir toda a reforma. Com um martelo nas mãos, ele começou a bater impiedosamente nos ladrilhos que havia colocado em um dos banheiros.

A dona da casa, Amber Trucke, explicou que pagou US $ 3.330 de um total de US $ 7.555, mas quando o homem terminou o trabalho, ela não ficou satisfeita com o resultado final.

Ela acreditava que poderia discutir o problema com os empreiteiros e chegar a uma solução que fosse justa para ambas as partes. Mas, ao contrário disso, Terry James Gregory e Jordan Cazares, que estavam encarregados da obra, foram até sua casa com marretas e serras para destruir as reformas.

Amber pegou seu celular e começou a registrar como o homem destruiu cada um dos azulejos da parede enquanto gritava: “Trabalhei semanas nisso. Gastei milhares de dólares. Agora quem vai me pagar? ”

O impacto daquela cena a deixou em choque. Além do dinheiro que ela desembolsou para um trabalho que agora estava destruído, Amber temia por sua segurança. “Isso me deixa doente, me assusta. Isso é mais do que destruir meu banheiro”, enfatizou.

Mas, diferente da versão da dona da casa, Jordan, um dos empreiteiros, explicou que nunca foi dito que os proprietários não gostaram da obra. “Isso nunca aconteceu antes e não é algo usual. Havia vários outros projetos incluídos no contrato que ela também não estava disposta a pagar”, disse ele em um comunicado.

Os trabalhadores explicaram que receberam ameaças seríssimas depois que a mulher tornou o registro público. Por sua vez, Amber disse que a partir de hoje terá mais cuidado com as pessoas que contratar e que entrou com queixa na polícia.

***
Redação Conti Outra, com informações de UPSOCL.
Fotos: Trucke âmbar.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.