Ele não te bate, mas…

Ele não te bate, mas destrói a sua autoestima a ponto de você não se achar suficiente. Faz você acreditar que não irá conseguir ninguém melhor e te convence que está sempre errada.

Thamilly Rozendo

Ele não te bate, mas destrói a sua autoestima a ponto de você não se achar suficiente. Faz você acreditar que não irá conseguir ninguém melhor e te convence que está sempre errada.

Ele não te bate, mas te humilha, te esgota emocional e psicologicamente e faz você se sentir culpada no final de tudo.

Ele não te bate, mas te faz sofrer e mesmo com alguns momentos bons, vira e mexe, reaparece um tom de voz mais alto, uma palavra que fere, uma desconfiança e depois um carinho e, de brinde, um pedido de desculpas. A promessa da mudança sempre faz você dar uma nova chance e sabe? Nunca muda. Relacionamento abusivo não é amor.

Tenho visto tanta gente confundindo amor com apego. Vejo gente achando que controle e posse são sinônimos de amor. Não, amor não é isso. Amor não é ciúmes exagerado, não é ditar o que você veste, não é humilhar e fazer você acreditar que não vive sem esse alguém.

Tenho visto muitos relacionamentos abusivos sendo confundidos com zelo. Não entendo e talvez nunca consiga entender por completo, mas compreendo o quanto é difícil enxergar que isso não é amor, o quanto é difícil chutar o balde e dizer adeus.

Mas, que fique claro: quem ama não humilha e nem faz com que você se ache o problema de tudo. Quem gosta de você não aprisiona e nem faz pensar que não existe vida para além daquele relacionamento.

Não sei, mas talvez ele(a) a(o) convença de que você não é nada sem ele(a), diz que sente ciúmes e justifica todas as imposições e atitudes grosseiras afirmando amar demais. O “não vai com essa roupa”, ou até mesmo as incontáveis ligações pra saber onde você está, seguem a mesma teoria: é amor demais.

Manipulação não é amor, controle não é amor, ordens não são sinônimo de cuidado; o nome disso tudo não é um relacionamento feliz, mas RELACIONAMENTO ABUSIVO. Não vale a pena estar com quem faz você acreditar que merece gritos, palavras duras, xingamento, ordens, brincadeiras sem graça na frente dos amigos. Não, não vale a pena dividir a vida com quem faz você acreditar que merece pouco.

***

Imagem de capa meramente ilustrativa: cena da série Big Little Lies

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Thamilly Rozendo
Estudante de psicologia, apaixonada por artes, música e poesia. Não dispensa um sorvete e adora um pastel de feira com muito requeijão, mesmo sendo intolerante a lactose. Tem pavor de borboletas, principalmente as no estômago.