Em recente entrevista para a revista Quem, o ator Carmo Dalla Vecchia, de 50 anos, não economizou elogios ao falar sobre Pedro Rafael Carneiro Dalla Vecchia, seu filho de 3 anos com o autor de novelas João Emanuel Carneiro, responsável por grandes sucessos da teledramaturgia da Globo, como A Favorita (2008) e Avenida Brasil (2012). “Crianças desejadas tornam seres humanos melhores, mais pacientes, menos egoístas. Temos companhia em casa agora, um backup de mim e do João transformado em gente. Temos um menino alegre e feliz com a vida e com muita liberdade de se expressar”, disse ele.

Carmo detalhou a divisão de tarefas em casa nos cuidados com o filho. “Sou tradicionalmente o que chamariam de mãe e o João é tradicionalmente o que chamariam de pai. Sou o que organiza as questões práticas, e ele é o bagunceiro, que dá chocolate antes do jantar e faz o Pedro não querer comer porque já está com a cara toda lambuzada de granulado de brigadeiro”.

O galã ainda explicou por que ele assumiu o papel de “mãe”. “Cuidar de uma criança exige gostar de detalhes e essa é uma característica muito feminina. Mulher geralmente é mais detalhista e homem mais prático. Sendo assim, me considero um homem bem feminino”, avalia. “Sei das vacinas, dos presentes de aniversário que preciso comprar para os coleguinhas, se o leite está acabando, se dormiu bem, se tem fimose, se a pomada foi passada, se a pele está seca demais e precisa hidratar, se está na hora de cortar o cabelo, se tem que se agasalhar mais, se ele se cobre à noite, se suou a camisa no pescoço e está com cheiro de suorzinho gostoso de criança, mas tem que trocar a camisa para não pegar friagem… Realmente eu sou a mãe”, explicou.

Carmo costuma compartilhar momentos fofos do menino em suas redes sociais. Em um vídeo publicado recentemente, o pequeno aparece cantando o hit ‘Vou De Táxi’. A desenvoltura do menino impressionou os internautas. “Acho que criança muda com o tempo, mas, a princípio, Pedro não é nada carente, é muito independente, aprende tudo rápido e sabe dizer exatamente o que gosta e o que não gosta. Ele é apaixonado por bola e carrinho, desde que não tenha controle remoto. Esses ele receia um pouco”, contou.

Pedro divide a data de aniversário com João; ambos nasceram no dia 21 de agosto. “Nosso corpo é igual. Somos muito parecidos fisicamente, apesar de ter momentos que ele se torna claramente o João. Eu tive poucos registros da minha infância e, quando olho para ele, consigo ver claramente como eu era. Tudo foi muito pensado antes dele nascer, ele é um bebê muito desejado, amado e acarinhado. Acho que ele tem uma segurança com o seu mundo que eu acho que não tinha. Nunca deixei meu filho chorando, achando que assim ele iria aprender melhor, e acredito que isso se converteu em segurança na personalidade dele”, diz.

Carmo diz que já conversava com o filho mesmo antes de ele poder entender as palavras. “Tudo é muito explicado, sem surpresas desagradáveis para ele. Se vou dar vacina, aviso antes e ele fica no meu colo. Chora por vinte segundos e acabou. Tudo sem que ele tenha se tornado um garoto cheio de birras (não que elas não façam parte!) e que não se relaciona com o mundo à sua volta. Pedro é solar, para fora, seguro de si, sempre pronto para brincar e cansar mais de cinco adultos que se disponham a brincar com ele”, detalhou o papai.

Segundo Carmo, seu parceiro é mais reservado em relação à sua vida pessoal. “João não tem redes sociais e eu o admiro muito e respeito muito o jeito dele. João é o que, a princípio, queria ser o durão, mas, na verdade, é o que tira da rotina. Acho bonito demais exercermos a paternidade de maneiras completamente diferentes na casa e isso nunca foi razão para conflito. Tem momentos que olho para o João e falo: ‘quem é esse menino que está dentro da nossa casa, João? Quem é esse ser cheio de opiniões e que vai mandar na gente?’ Um casal de homens ter conseguido ter um filho é um pequeno milagre que a medicina me permitiu e que causou uma explosão de felicidade no mundo em que eu e João vivemos”, agradece.

O ator explica que Pedro é encantado com ele e João. “Ele nos chama de ‘Pai Carmo’ e ‘Pai João’. E enche a boca para dizer que tem dois pais”, contou. “Acho que o mundo que o Pedro vive está um pouco mais atualizado nisso [casais homoafetivos]. Não acredito sinceramente que será um problema. A história dele vai dizer. Mas acho que se isso for uma questão para alguém que passar na vida dele, com o manancial gigantesco de afeto, de conversa e de cuidado que ele tem, certamente vai tirar de letra”, disse.

***
Redação Conti Outra, com informações de Revista Quem.
Fotos: Arquivo Pessoal.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.