De acordo com o senso comum, elas não deveriam se dar bem, muito menos serem amigas, mas Debby e Mylaen dizem que são irmãs para a vida toda após um transplante de rim.

Em novembro, Debby Neal-Strickland colocou um belíssimo vestido de renda e se casou com seu namorado de longa data, Jim, em uma igreja na Flórida. Dois dias depois, ela vestiu uma bata de hospital e doou um rim para a ex-mulher de seu novo marido.

Mylaen, que tem 59 anos, lutava há bastante tempo contra uma doença renal. No ano passado, quando foi internada, em novembro, seus rins tinham apenas 8% de funcionamento. Seu irmão imediatamente se ofereceu para doar um órgão, mas não era compatível. Então Debby, a atual mulher do seu ex-marido, se ofereceu.

Jim Merthe e Mylaen Merthe, sua ex, sempre se deram bem, criando seus dois filhos, hoje adultos, em perfeita harmonia. Sua filha deveria dar à luz seu primeiro neto no outono passado.

Debby sabia que Mylaen estava prestes a se tornar avó pela primeira vez – sua filha estava grávida. Então ela entendeu que era sua missão ajudar Mylaen a conhecer seu neto. Segundo ela, Deus lhe disse que ela seria compatível.

“Quando alguém precisa de um órgão, se não o consegue, provavelmente não sobreviverá. Eu sei que é algo que você tem que fazer rapidamente”, disse Debby.

Um teste inicial de sangue e tecido apontou que Debby era compatível com Mylaen e logo outros exames mais complexos vieram, mas Mylaen tentou à princípio não criar expectativas, concentrando-se em seu futuro como avó.

Debby “sabia que isso é tudo que eu sempre quis”, disse ela. Ela “fez isso de coração”, garante.

Depois de meses de testes e atrasos por causa da pandemia de Covid, o transplante foi agendado para dois dias após o casamento de Jim e Debby. Debby ficou tentada a adiar o casamento, mas os amigos a desencorajaram. O casal já havia esperado dez anos, cancelando duas vezes em deferência aos filhos que anunciaram seus próprios noivados.

O casal se uniu matrimonialmente em 22 de novembro. Jim usava um terno cinza com uma camisa amarela, “porque ele é minha única rosa amarela”, disse Debby.

“Foi o dia mais incrível da minha vida, até dois dias depois. Esse também foi o dia mais incrível da minha vida”, disse ela.

Logo que recobrou a consciência, Debby perguntou sobre Mylaen, que, ndares abaixo, também estava implorando às enfermeiras – “‘Eu preciso vê-la’. Essa foi a primeira coisa que saiu da minha boca”.

Jim obteve permissão para levar sua nova esposa até o quarto de sua ex-mulher, apesar dos rígidos protocolos que inicialmente impediam o encontro entre as duas.

“Também estávamos com nossas máscaras, então choramos e, claro, nossas barrigas estavam doendo por causa das incisões”, disse Mylaen. “Nós meio que rimos e choramos”.

Debby já podia ver a diferença. Os círculos sob os olhos de Mylaen haviam sumido, “ela parecia tão viva e revitalizada”.

Mylaen foi morar com sua filha, genro e o novo bebê, Jackson, para se recuperar.

“Eu pude segurá-lo e alimentá-lo”, disse Mylaen, que deu as boas-vindas a um segundo neto em março. “Eu estava tipo, ‘estou realmente aqui para ver isso e estou segurando este pequeno bebê’”.

As mulheres se autodenominam irmãs renais, oram uma pela outra, mimam seus netos e estão planejando uma grande viagem em família para o lago Rabun, Geórgia, neste verão.

“É disso que se trata o mundo. Família. Precisamos ficar juntos”, disse Mylaen. “Ela salvou minha vida.”

***
Redação Conti Outra, com informações de G1.
Foto destacada: AP Photo/John Raoux.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.