Um dos maiores choques e efeitos colaterais de toda a pandemia de coronavírus, que começou a avançar por todo o mundo no início de 2020, foi o impacto econômico e a recessão econômica enfrentados pela nação de acordo com o avanço da pandemia.

Isso ocorreu pois, de acordo com as restrições sanitárias recomendadas para a contenção da pandemia, estabelecimentos comerciais foram fechados, viagens internacionais foram canceladas e adiadas, eventos foram cancelados e, com isso, uma recessão econômica nunca antes vista estava por vir.

Uma das medidas para conter a economia foi a implação do Auxílio Emergencial, instituído pelo governo Bolsonaro ainda nos primeiros meses de pandemia.

O Auxílio fez com que as camadas mais pobres da população pudessem continuar injetando dinheiro na economia, mesmo com o iminente desemprego, oriundo da pandemia.

Isso fez com que a roda da economia não parasse por completo em todo o país, visto que a maior parte da população se encontra nas classes sociais e econômicas média e baixa.

Com as taxas de desemprego avançando pouco a pouco, desde o início do ano passado, a capacitação profissional e a contratação de profissionais qualificados estava congelada por um breve período, de modo que um resumo profissional pronto de qualidade não seria capaz de garantir a vaga de ninguém neste atual momento do mercado.

No entanto, nem tudo são espinhos, visto que algumas notícias positivas se apresentaram no final deste ano e existe um prognóstico positivo para a economia do país. Com este quadro em mente, hoje iremos dar uma pincelada nas principais notícias recentes da economia

Taxa de desemprego se mantém na casa dos 12%

Com o quadro de contratações estando da maneira que estava ao longo do ano passado, não havia muitos estímulos para os trabalhadores e profissionais qualificados se preocuparem em como fazer um resumo profissional polido e de qualidade.

Isso porque as contratações foram basicamente interrompidas em todo o território nacional durante os meses iniciais da pandemia, onde o medo e a incerteza ainda assolavam a população do país.

No entanto, com o avanço das campanhas de vacinação e o retorno à normalidade estando cada vez mais próximo, o mercado vem se aquecendo e o desemprego se manteve estável em 12.1%, ao final deste último trimestre, de acordo com publicação da revista Info Money.

Ocorreu uma queda percentual de cerca de 1.6 pontos percentuais em comparação com o último trimestre, encerrado em junho deste ano.

Porém, quando pensamos em termos absolutos, o desemprego ainda atinge cerca de 13 milhões de brasileiros, o que é um número consideravelmente alto.

Mas olhando pelo lado positivo, em comparação com os momentos iniciais da pandemia e com o último trimestre, o desemprego se encontra em um momento estável e com uma taxa menor em comparação com estes períodos anteriores.

Além disso, existem sinais claros de que o mercado está se aquecendo aos poucos, como o aumento no índice e volume de contratações previstas para o início de 2022.

A informalidade atinge patamares nunca antes vistos no Brasil

Talvez um dos maiores efeitos colaterais da pandemia, contudo, tenha sido o nível de informalidade observado nos trabalhadores ao redor do território nacional.

Conforme publicado em reportagens também da InfoMoney, da CUT e também da plataforma Dinheiro Rural, atualmente existem cerca de 38 milhões de trabalhadores informais no Brasil.

Este número representa quase 40% de todos os trabalhadores e profissionais atuantes no país. Alguns especialistas dizem que este número foi inflado durante a pandemia, devido a perda de emprego e a falta de oportunidades característica deste período.

Isso fez com que diversos profissionais e novatos no mercado de trabalho recorressem à fontes como:

1-Uber
2- iFood
3- 99Pop
4- Projetos Autônomos
5- Delivery de comida

Todos estes ramos são considerados informais por não serem trabalhos que contam com o regime de trabalho CLT.

Portanto, é possível observar nestas categorias o claro aumento no número de profissionais informais no país, desde o início da pandemia até o presente momento.

Prognóstico para o futuro

Apesar do quadro de instabilidade econômica, financeira e empregatícia que foi visto ao longo destes quase dois anos de pandemia, diversos especialistas apontam a retomada gradual da economia nos próximos anos.

Isso se deve, principalmente, além do combate à pandemia, ao fato de que em 2022 ocorrerão eleições presidenciais.

O mercado está reagindo positivamente à possível candidatura de Luiz Inácio, o Lula, frente ao candidato da direita, Jair Messias Bolsonaro.

Independente do resultado que teremos no ano que vem, o mercado reagindo positivamente a este embate já representa uma possível melhora para os trabalhadores e nos níveis de emprego do país.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.