É possível fazer as pazes com uma mãe ruim?

Um menino de três anos fora queimado com álcool e, algo que parecia impensável, foi sua própria mãe que o incendiou. Na sala de tratamento intensivo, o menino queria apenas uma coisa: que sua mãe viesse abraçá-lo.

A mãe costuma ser o primeiro grande amor na vida dos seres humanos. Um amor que nasce naturalmente e que não acaba, mesmo que não possa ser presente, ou mesmo se a sua presença for prejudicial e até perigosa para um filho. Há sempre um fio invisível que de alguma forma ou de outra mantém filhos e mães ligados.

A psicanalista Judith Viorst narra em um de seus livros um caso atroz. Um menino de três anos fora queimado com álcool e, algo que parecia impensável, foi sua própria mãe que o incendiou. Na sala de tratamento intensivo, o menino queria apenas uma coisa: que sua mãe viesse abraçá-lo. Isso é o quão forte esse vínculo primitivo pode ser. Seja como for, temos um laço com nossa mãe. No início da vida preferimos qualquer sofrimento, em vez de sofrer a dor de não tê-la ao nosso lado.

O vínculo com nossa mãe subsiste na vida adulta, mesmo se seguirmos o nosso próprio caminho, mesmo que consigamos um sucesso gigantesco, mesmo que tenhamos dinheiro, ou nos admiremos por nossa destreza. Lá no fundo há sempre algo daquela criança que não quer viver sem a mãe.

A mãe difícil

Quando crianças, e apesar de qualquer evidência em contrário, pensamos que nossa mãe é um ser absolutamente perfeito. Nós só precisamos que ela esteja ao nosso lado. E se não estiver lá, pensamos que talvez seja nossa culpa. Mas as mães não são esses seres totais e perfeitos que idealizamos quando somos pequenos. Nem sempre somos completamente bem-vindos em sua vida.

As mães também ficam deprimidas, elas também têm seus próprios problemas. E embora o desejo da maioria deles seja nos dar o melhor, às vezes elas não podem fazê-lo. Às vezes desistem de fazer isso ou têm uma ideia não tão saudável de como deve ser o bem-estar de uma criança.

Muitas mães não estão lá quando seus filhos precisam delas. Elas devem, ou querem, trabalhar fora de casa e podem não ter tempo para exercer a maternidade. Outras mulheres têm uma rejeição, consciente ou inconscientemente, em relação à maternidade. Mesmo assim, assumem a tarefa de serem mães, mas só conseguem isso sem entusiasmo. Então, seus filhos se tornam alvo de insatisfação. São as mães que não conseguem ver nada de bom em seus filhos. Eles nunca são obedientes o suficiente, nem são capazes o suficiente para fazê-la feliz. Se eles são os melhores alunos ou os atletas mais destacados não importa, eles nunca correspondem às suas expectativas.

A rejeição pelas crianças, às vezes, também apresenta-se de formas mascaradas. É o caso das mães ansiosas, que estão sempre imaginando que a criança vai cair, que o jovem vai se tornar um viciado em drogas, que a filha vai cometer um erro irreparável. Nesses casos, a rejeição assume a forma de controle extremo. Elas acham que educar seus filhos é mostrar a eles que o mundo é um lugar repleto de perigos e que sua tarefa é fazer com que eles vejam o lado ameaçador de tudo.

Conciliações precoces e tardias

Durante a infância, basicamente, não temos capacidade emocional para questionar nossa mãe. Ela está na base de tudo, no horizonte de tudo, e podemos não gostar de alguns de seus comportamentos, mas achamos que não é lícito criticá-la. As coisas mudam durante a adolescência. Em geral, esse estágio é muito mais difícil para aqueles que tiveram que lidar com uma mãe ruim.

A adolescência é uma transição na qual a criança que éramos e o adulto que queremos ser são confrontados. É então quando é fundamental questionar o que recebemos em casa, forjar uma identidade própria. Na adolescência é onde as perguntas sobre nossos pais começam. É a hora das grandes decepções com os pais.

Se antes não nos permitíamos criticar nossa mãe, agora ela se torna objeto de grande parte de nossa insatisfação. Ela quer que continuemos criança , mas precisamos crescer. Assim como a adolescência pode ser o começo de grandes distâncias com essas figuras queridas, é também um estágio em que é possível ajustar muitas pontas soltas.

Uma mãe que tenha consciência de que seu papel não foi o melhor, pode aproveitar o tempo da adolescência para reparar muitos de seus erros. Os adolescentes precisam dos seus pais, muito mais do que estão dispostos a admitir. Um acompanhamento amoroso, paciente e inteligente durante esta fase, pode reparar muitas das falhas que ocorreram durante a infância.

Conflitos vêm à tona de uma maneira às vezes rude e áspera. Mas esta é também uma oportunidade para canalizá-los e dar-lhes uma solução. O jovem já é capaz de entender que sua mãe é uma pessoa com limites e a mãe pode admitir essas limitações. Às vezes é difícil evitar a construção de grandes barreiras, porém é importante não desanimar.

Logo os filhos descobrem a impossibilidade de serem os pais perfeitos do manual e entendem que o erro está na base de muitas realidades humanas. Que uma mãe que está errada não é uma mãe má, mas uma pessoa imperfeita, como todos nós somos.

Seja qual for o caso, há uma verdade indiscutível: todas as relações afetivas de uma pessoa são marcadas pelo vínculo que ele tinha com sua mãe, seu primeiro amor. Quanto mais saudável for esse relacionamento, mais saudáveis serão os outros. E nunca é tarde demais para retomar esse elo. Para perdoá-la e pedir perdão. Dar livre curso àquele amor que sempre esteve presente e, com isso, limpar o caminho para uma vida mais recompensadora.

***

Este texto é uma tradução adaptada pelo Psicologias do Brasil. Do original: La Mente Es Maravillosa, escrito em espanhol por Edith Sánchez

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.