Do calvário à Libertação: o dia em que o Cristo Redentor “ressuscitou” vestindo um jaleco

É hora de nos unirmos. É hora de ter fé na vida, mas também é hora de voltarmos a acreditar na ciência. Afinal, o conhecimento também é uma dádiva que devemos honrar.

Josie Conti

Milhões de pessoas ficaram emocionadas quando ontem, na noite do domingo de Páscoa, o Cristo Redentor foi vestido com um janelo em merecida homenagem aos profissionais de saúde que estão na linha de frente para salvar vidas nesse momento de pandemia e incertezas.

A religiosidade, quando entendida em sua essência humanista, é um lugar que acolhe, une e perdoa. Lá, as pessoas são acolhidas por um “pai” que as ama. No espaço religioso, elas sentem-se como parte de uma grande família e sabem que podem contar umas com as outras, pois a religião também reforça os laços de comunidade, é lugar onde devemos nos sentir amados e seguros. Qualquer religião que segregue, rejeite ou diminua um ser humano que seja, tenho que dizer, para mim não é digna de seus seguidores.

Mas há, ainda, nos caminhos traçados pela fé uma das forças que mais sustenta a humanidade é a Esperança!

No Domingo de Páscoa, como a maioria das pessoas sabe, celebra-se a ressurreição de Jesus ocorrida ao terceiro dia após sua crucificação no Calvário. E, se Jesus morreu na cruz para nos libertar carregando em si todo o peso e os pecados do mundo, há também aqueles que, pela fé em seu juramento, também trabalham dia-a-dia lutando pela vida.

Nada mais justo, então, do que o Cristo Redentor, de forma simbólica, ressuscitar usando um jaleco para incentivar as pessoas a respeitarem a vida, ficarem em casa e valorizarem os profissionais da saúde. Muitos deles, é bom lembrar, também estão sacrificando suas vidas por nós.

E assim devemos seguir, com a fé que possuímos, seja ela qual for, e nos lembrando que somos todos parte de um todo que vai muito além de qualquer interesse individual.

A mensagem que fica é para que nunca percamos a nossa fé. Façamos o que for possível. Façamos a nossa parte e sejamos humildes. Que olhemos para aqueles que cuidam de nós com mais carinho, admiração e respeito. Que confiemos em quem sabe mais do que nós. Ter fé é acreditar.

Então, é fundamental que fiquemos em casa até mesmo para que aqueles que não têm essa opção de ficar- por trabalho essencial ou necessidade financeira real- possam sair.

Que abracemos a esperança com força. Que ressuscitemos também em vontade de sermos melhores.

É hora de nos unirmos. É hora de ter fé na vida, mas também é hora de voltarmos a acreditar na ciência. Afinal, o conhecimento também é uma dádiva que devemos honrar.

Abaixo, finalmente, confira esse momento de profundo simbolismo.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Josie Conti
É idealizadora, administradora e responsável editorial do site CONTI outra e de suas redes sociais. Psicóloga com 19 anos de experiência, teve sua trajetória profissional passando por diversas áreas de atuação como educação, clínica (consultório, grupos pré-cirurgia bariátrica e de reeducação alimentar, acompanhamento de pacientes idosos e acamados em projeto da UNIMED), além de recursos humanos e saúde do trabalhador. Teve um programa diário, o CONTI oura, na rádio 94.7 FM de Socorro. Atualmente realiza vídeos, palestras, cursos, entrevistas, e escreve para diversos canais digitais. Sua empresa ainda faz a gestão de sites como A Soma de Todos os Afetos e Psicologias do Brasil. Possui mais de 11 milhões de usuários fidelizados entre seguidores diretos e seguidores dos sites clientes. Também realiza atendimentos psicológicos online.