João Marcos, um menininho de apenas 3 anos, foi diagnosticado com Covid-19 após apresentar sintomas que poucas pessoas conhecem, manchas por todo o corpo. Quem conta a história é a mãe dele, a mineira Suelen Caroline Santiago Magalhães Rosalino, de 30 anos. “Assim que o viu, o médico já me disse que era covid. Levei ao hospital, pois estava muito preocupada. Em apenas uma noite de sono, as manchas nos braços e pernas duplicaram. Além dos braços e pernas, as manchas aparecem também nos dedinhos, palma das mãos e sola do pé”, contou.

A mãe conta que esses foram praticamente os únicos sintomas apresentados pelo filho. “Ele chegou a ficar febril, mas a temperatura dele não passou de 37,5. Foram as manchas que coçavam e nada mais! Achei que era alergia de alguma picada ou alimentação, mas não era. Ele fez o teste e resultado: o médico estava certo! Aí ficamos todos em casa, isolados”, explicou.

Suelen e o marido, Marcos, de 38 anos, também testaram positivo para a covid. “Nós sentimos dores fortes no corpo, fraqueza e dores de cabeça. Somente em um dia, fiquei com febre. Já meu esposo não teve alteração na temperatura, mas teve também uma tosse seca, tipo alérgica”, comentou. “Paramos totalmente por 14 dias. Nada de trabalho externo! Nada de rua! Totalmente em casa. Supermercados e farmácia apenas on-line. Inicialmente, foi complicado. As dores fortes no corpo levaram meu esposo a dormir no colchão, no chão, ao lado da nossa cama. A insegurança e medo de piorar nos deixaram ansiosos. João, totalmente preso em casa, começou a ter hábitos não comuns, como jogar tudo pela janela! Dormia tarde também, às 2 da manhã. Como o vírus é muito novo e sofre muitas mutações, ficamos com medo de piorarmos”, lembra.

Segundo Suelen apesar do susto, em uma semana o pequeno João já estava 100%. “O médico receitou antitérmico, anti-histamínico e um spray nasal. Ele não estava visivelmente gripado ou com sintomas, mas suas narinas estavam inchadas e um pouco irritadas”, disse. A família testou positivo no dia 1 de dezembro. “Já se passaram os 14 dias, mas com tantos casos de piora, ficamos preocupados, mas sem neura. Redobramos a atenção”, finalizou.

A dermatologista Selma Maria Furman Hélène, presidente do Departamento de Dermatologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), explicou à Revista Crescer que “Como qualquer virose, este vírus pode acometer a pele também”. De acordo com o pediatra Nelson Douglas Ejzenbaum, membro da Academia Americana de Pediatria, as manchas na pele, apesar de raras, podem ser manifestações de covid. “Em alguns, podem aparecer manchas vermelhas ou, ainda, formar quadro alérgico, com manchas mais elavadas. Em outros casos, notamos manchas azuladas com extremidades brancas. Isso acontece porque a covid causa uma inflamação de vasos. Em geral, não costuma coçar ou doer, mas no quadro alérgico, é indicado o uso de antialérgico para diminuir os sintomas”, explicou.

Ainda segundo o pediatra, as manchas não costumam ser o único sintoma. “A covid é multifatorial. Uma pessoas pode ser assintomática ou apresentar diversos sintomas. O vírus ainda é considerado imprevisível”, comentou.

***
Redação Conti Outra, com informações de Crescer.
Fotos: Arquivo Pessoal.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.