Conheça Leiliane: a heroína que salvou uma vida no acidente que matou Boechat

“Mas eu queria salvar ele. Porque o piloto não pulou, ficou dentro do helicóptero. A minha intenção ali na hora era tirar ele de lá. Eu tinha que ter tirado ele de lá. Tinha que ter puxado para o meio da pista. O outro moço já tinha morrido”

CONTI outra

Uma heroína. Não existe outra forma de descrever a atitude de Leiliane Rafael da Silva. A jovem de 29 anos estava em uma moto quando, de repente, viu um helicóptero se chocar com um caminhão. Era o acidente que matou o piloto, Ronaldo Quattrucci, e o jornalista Ricardo Boechat. Tudo aconteceu na Via Anhanguera, em São Paulo.

Com 29 anos, a vendedora não pensou duas vezes e fez tudo o que estava em seu alcance para salvar possíveis vítimas. Enquanto alguns homens insistiam em filmar as chamas, a mulher escalou a cabine do caminhão, arrancou os pedaços do helicóptero e puxou o motorista.

“Uma pessoa pulou do helicóptero. O piloto ficou dentro do helicóptero. A pessoa que caiu na pista era o que tinha pulado primeiro. Ele pulou na pista, caiu no chão, e o helicóptero caiu em cima dele”, revelou a vendedora Leiliane Rafael da Silva, de 29 anos, no 46º Distrito Policial onde o caso foi registrado.

Leiliane quebrou o vidro com um capacete

Ela conta que foi impedida de chegar perto do helicóptero por funcionários da concessionária administradora da rodovia pelo risco de explosão. “Mas eu queria salvar ele. Porque o piloto não pulou, ficou dentro do helicóptero. A minha intenção ali na hora era tirar ele de lá. Eu tinha que ter tirado ele de lá. Tinha que ter puxado para o meio da pista. O outro moço já tinha morrido”, declarou ao G1.

Leiliane estava na garupa de uma moto pilotada pelo marido. Os dois seguiam no sentido de Cajamar, quando passaram ao lado do caminhão atingido. A moça explica que quebrou o vidro com o capacete para salvar o motorista.

“Eu acho que poderia ter feito mais alguma coisa e não me deixaram. Eu devia ter corrido lá e puxado ele. Só que agora que eu estou aqui e que eu já sei que não tinha mais como tirar ele de lá, porque explodiu novamente. Eu vejo que eu podia ter morrido junto com ele”, finalizou.

Ela tentou salvar Boechat, mas não conseguiu

O motorista do caminhão teve ferimentos leves e passa bem. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) pontua que o veículo deixava o pedágio em baixa velocidade, mas não o suficiente para evitar o choque.

Com informações e fragmentos de texto de Hypeness e G1

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.