Confiança na ciência disparou em todo o mundo durante a pandemia, diz pesquisa

O resultado da pesquisa, que também entrevistou participantes brasileiros, contraria um diagnóstico cada vez mais frequente de aumento da descrença na ciência.

CONTI outra

Em 2018, a empresa multinacional 3M começou a publicar atitudes públicas em relação à ciência em todo o mundo. Antes da pandemia, uma queda geral na confiança na ciência e nos cientistas estava aparecendo nos números da 3M.

Então o COVID-19 atingiu o mundo e tudo mudou: em sua última pesquisa, e 3M descobriu que a tendência de queda foi drasticamente revertida – com a confiança na ciência mostrando um enorme aumento desde março de 2020.

Na verdade, no contexto do coronavírus, a confiança na ciência e nos cientistas é a maior em três anos, desde o início dessas pesquisas.

Para as pesquisas do Índice do Estado da Ciência (SOSI), a 3M tem como alvo um grupo demograficamente representativo de mais de 1.000 participantes em cerca de uma dúzia de países: incluindo Brasil, Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Japão.

A última pesquisa SOSI foi realizada em onze países ao longo de julho e agosto de 2020, cerca de seis meses após o início da pandemia.

89% dos entrevistados disseram confiar na ciência; 86% confiam nos cientistas; 77% são mais propensos, como resultado da pandemia, a concordar que a ciência precisa de mais financiamento; e mais da metade (54%) concorda que a ciência é muito importante para suas vidas cotidianas – um aumento de dois dígitos em relação aos dados pré-pandêmicos (44%).

Completando o quadro, 92% dos entrevistados globais acreditam que as ações devem seguir a ciência para conter a pandemia global, revelando outra medida de confiança na ciência.

COVID-19 tornou as pessoas mais conscientes sobre que a ciência pode realizar

“À medida que as pessoas enfrentam a mais desafiadora crise de saúde em nossas vidas, a ciência é mais relevante, mais confiável e mais importante para as pessoas em todo o mundo”, explicou Mike Roman, presidente do conselho e diretor executivo da 3M.

Pessoas que afirmaram: “Eu sou cético em relação à ciência”, caíram 7 pontos para 28% durante a pandemia , de sua alta de 35% no ano passado. Da mesma forma, os entrevistados que acreditam apenas em ciências que se alinham com suas crenças pessoais estão seis pontos percentuais abaixo de quando a pergunta foi feita pela primeira vez em 2018.

Uma confiança renovada na ciência também parece se traduzir em ação: mais da metade dos entrevistados (54%) concorda que o COVID-19 os tornou mais propensos a defender a ciência, enquanto os dados pré-pandêmia mostraram que apenas 20% defenderiam ciência ao debater seus méritos com outros.

Quando questionados sobre os problemas que as pessoas mais desejam resolver, sem surpresa, encontrar uma cura para vírus emergentes (como o COVID-19) está no topo (80%), seguido por encontrar uma cura para outras doenças importantes (62%).

Fora da saúde, a justiça social e o meio ambiente estão entre as maiores prioridades. Justiça social / equidade STEM (defendendo a igualdade racial na sociedade e / ou garantindo que as minorias sub-representadas tenham acesso à educação STEM) é a principal questão não relacionada à saúde (55%) – e abordar os efeitos das mudanças climáticas é a segunda (51% ).

***
Redação Conti Outra, com informações de Good News Network.
Foto: ThisisEngineering RAEng

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.