Seja para jogos de RPG, esportes, FPS, ou até mesmo caça níqueis online, o processo para a composição da música desses jogos é extenso, trabalhoso e que requer bastante atenção. Obviamente mais complexos para um do que para outros, mas ainda assim tudo isso não deixa de ser uma arte completa. Nessa questão, tudo importa para que a música combine perfeitamente com o tema e tom do jogo, e para que você entenda tudo isso, explicaremos abaixo algumas coisas que são consideradas no momento de criação da trilha sonora de um jogo.

O tom e tema do jogo

Você também é um amante de jogos? Lembre-se agora de 2 jogos de diferentes gêneros que você já jogou.

Tente relembrar agora a trilha sonora deles. Conseguiu? Muito provavelmente elas serão completamente diferentes uma da outra. Jogos como “Call of Duty” possuem uma trilha sonora intensa e forte, enquanto um jogo como “Rayman Legends” tem uma trilha sonora mais calma e lúdica.

Tudo depende do que o jogo se trata ou como ele vai abordar os temas.

O jogo “Life is Strange” possui uma trilha sonora mais calma, intimista, e com músicas mais indie, o que harmoniza perfeitamente com a mensagem que o jogo aborda.

Profissionais envolvidos

Se você achava que em um trabalho de trilha sonora só se envolviam os compositores e músicos, você está enganado.

Em um jogo de ação e aventura como por exemplo “Assassin’s Creed”, profissionais como historiadores, pesquisadores, e especialistas no período do game também fazem parte do processo de criação da trilha sonora. Quem não se lembra das cenas onde os marinheiros começam a cantar enquanto velejam pelos sete mares? Isso é só um dos outros inúmeros detalhes envolvidos.

Outra possibilidade é que profissionais que já trabalharam em obras similares façam parte da equipe, como é o caso de outro título da Ubisoft, o Assassin’s Creed Valhalla.

Quanto mais experiente e diversificada a equipe, maior a probabilidade de um bom trabalho.

Os instrumentos musicais

Detentor do título de um dos melhores jogos de todos os tempos, “Red Dead Redemption 2” fez história em tudo o que se propôs a fazer, contando com um um mapa gigantesco e bastante imersivo, o que ajudou a trazer essa potência do jogo foi com certeza a trilha sonora.

Os compositores usam e abusam de instrumentos como viola, tambores, pratos e trompetes, o que combina perfeitamente não apenas com o ritmo e tom do jogo, mas também com a época do mesmo. Quem jogou sabe disso e com certeza a música ficou na cabeça por bastante tempo.

Outro caso é o “God of War”, vencedor do Prêmio de Melhor Jogo do Ano em 2018. A cada momento a trilha sonora é poderosa e te faz sentir na pele toda a intensidade do momento.

Com os instrumentos certos, a potência da cena ou do jogo como um todo é maior.

Conclusão

Muitas vezes negligenciada, a trilha sonora de um jogo é tão importante quanto o seu visual. Por se tratar de uma obra audiovisual, 50% é som e 50% é imagem, logo, a sua percepção de bom ou ruim em um jogo irá englobar esses dois sentidos e te fará formar a opinião se aquilo é bom ou não.

Da próxima vez que você for jogar, se permita prestar atenção na música do jogo, se permita sentir-lá, e veja o quanto ela influencia a sua experiência.

***

Photo by Marcela Laskoski on Unsplash

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.