Desde que a pandemia do coronavírus começou em meados de março de 2020, os profissionais de saúde deixaram tudo nos hospitais para fazer com que esta crise de saúde causasse o menor impacto possível . Às vezes, o comprometimento desses profissionais vai muito além do trabalho.

Recentemente, tornou-se muito popular a fotografia de uma enfermeira na Itália acariciando um pequeno paciente em uma cama de hospital. É o caso de Matteo Maurizio Pinti, um bebê de apenas 7 meses que corria sério risco devido a complicações em seus órgãos internos em decorrência da COVID-19.

Unsplash (foto ilustrativa)

Como pode ser observado na imagem, a especialista deitou-se ao lado do bebê ao tentar interagir com ele, usando um traje especial para evitar o contato direto.

Tudo isso aconteceu enquanto Roberta Ferrante, a mãe do bebê, vivia momentos de angústia pela saúde delicada de seu filho. O bebê deu entrada no Hospital Pediátrico Salesi, em Ancona, Itália, no dia 3 de março.

Unsplash (foto de ilustrativa)

Segundo a mídia local, a imagem foi tirada pelo Dr. Alessandro Simoninido no departamento de anestesia e reanimação, quando a enfermeira estava brincando com o bebê enquanto cuidava dele com determinação.

“A equipe de reanimação foi exemplar, não vou me esquecer disso. Em particular, um médico que sempre me ligava para me manter informado sobre o estado de meu filho. Teve uma frase que me tranquilizou, já que não poderia estar com ele: ‘não se preocupe senhora, a gente cuida do seu filho, você não precisa se preocupar’ e foi assim mesmo que aconteceu”, disse a mãe.

“No momento mais dramático da minha vida, ouvir isso e depois ver aquela foto do meu filho sendo acarinhado pela enfermeira foi um retorno à vida depois de um pesadelo que durou dias”, acrescentou Ferrante.

Unplash (foto ilustrativa)

Devido a alguns problemas no intestino, o pequeno Matteo precisou de uma cirurgia, que acabou saindo da melhor forma. Depois disso, o pequeno ainda passou um período na Unidade de Terapia Intensiva, onde foi melhorando gradativamente.

“Em casa foi um inferno, esperar a ligação do hospital para que fôssemos vê-lo, então finalmente aconteceu. Matteo ainda testava positivo para Covid-19, então colocaram a mim e à criança numa sala isolada, lacrada, com o pessoal que vem para as necessidades básicas e isto durou três dias”, disse Ferrante.

“Estava cheio de tubos e gotejadores, mas pelo menos estávamos juntos. Meu marido não pôde comparecer devido ao risco de contágio. Não esquecerei meu irmão que ficou embaixo da janela do quarto para me dar forças. Já no período do parto, em agosto, com as regras da pandemia ativas, dei à luz sozinha, dessa vez foi ainda mais difícil”, acrescentou.

Hospital Pediátrico Salesi

Após cerca de 21 dias no hospital, Matteo teve alta quando recuperou a saúde. As semanas de angústia ficaram para trás para a família, pois o menino já está em casa.

***
Redação Conti Outra, com informações de UPSOCL.
Foto destacada: Reprodução/Hospital Pediátrico Salesi.

RECOMENDAMOS




LIVRO NOVO: FABÍOLA SIMÕES







As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.