Como é fácil não enxergarmos o que é importante

Tudo anda tão distorcido, que é fácil focarmos nas coisas erradas

Susiane Canal

Tudo anda tão distorcido, que é fácil focarmos nas coisas erradas

É normal não nos darmos conta do quanto somos abençoados, de todos os motivos que temos para agradecer

É natural ficarmos estressados e nem sabermos o por quê

É banal nos incomodarmos muito com circunstâncias de pouca significância, deixando com que isso fique reverberando em nosso interior, amargando o nosso humor e estragando os nossos dias

É comum olharmos apenas para o que gostaríamos de ter e não temos, sem perceber que o que já temos é infinitamente maior e mais valioso

Estamos, definitivamente, com o foco desajustado

Precisamos nos sacudir e cair na real

Necessitamos tirar da nossa vista os filtros que estão distorcendo a nossa percepção

Chega de ilusões, chega de induções, chega de excessos

O movimento a ser feito é o da volta à SIMPLICIDADE

Tal como quando éramos crianças, quando complicávamos tão menos com tudo

E nos sentíamos tão mais felizes

Precisamos, de uma vez por todas, parar de olhar para fora e passar a olhar para dentro

Sentirmos, de fato, como precisamos de tão pouco para estarmos bem, para sermos felizes

Ficar condicionando o nosso bem estar a circunstâncias externas é loucura total

É essencial não nos esquecermos que TUDO ESTÁ SEMPRE BEM, do jeito que está

Ainda que muitas coisas possam melhorar, ainda que tenhamos muitos sonhos para realizar, ainda que pretendamos, de fato, evoluir, tudo está certo, desde agora

Viver o momento, presente, sabe?

DIZER SIM a tudo como é

Apaziguar os conflitos interiores

Permitir o fluxo sábio da vida

Ser feliz desde já

Aproveitar

É só isso.

***

Photo by Nathan Thomas from Pexels

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Susiane Canal
“Servidora Pública da área jurídica, porém estudante das questões da alma. Inquieta e sonhadora por natureza, acha a zona de conforto nada confortável. Ao perder-se nas palavras, busca encontrar um sentido para sua existência...”