Com apenas 10 anos, garota cria ‘Cortina do Abraço’ para poder abraçar seus avós

Paige utilizou uma cortina de chuveiro, saquinhos Ziploc, cola, fita adesiva e pratos descartáveis para completar sua invenção. Tudo para poder abraçar a vovó e o vovô e matar a saudade!

Ana Carolina Conti Cenciani

Com apenas 10 anos, garota cria ‘Cortina do Abraço’ para poder abraçar seus avós
O isolamento social causou muitas mudanças no nosso dia-a-dia. Visitas aos familiares que antes eram cotidianas se tornaram impossíveis e a saudade fica cada vez maior. Um simples abraço pode fazer muita falta, ainda mais para as crianças, que geralmente amam o contato físico.

Sendo assim, uma garotinha de apenas 10 anos decidiu criar um mecanismo que a permitiria abraçar seus avós. Ela desenvolveu uma espécie de cortina de plástico que bloqueia o contato direto entre as duas pessoas. A menina, que se chama Paige, nomeou sua invenção como: “Cortina do Abraço”.

A inspiração veio através de um vídeo que mostra várias pessoas usando um cobertor para se abraçar. Na invenção, o plástico é ainda mais eficaz, não há poros que eventualmente permitam a passagem de ar, e portanto, de germes. Paige utilizou uma cortina de chuveiro, saquinhos Ziploc, cola, fita adesiva e pratos descartáveis para completar seu mecanismo de abraço.

Lindsay Okray, a mãe da garotinha, trabalha como enfermeira em um hospital de Riverside, na Califórnia (EUA), e contou que a filha passou horas trabalhando na Cortina do Abraço. Tudo para poder abraçar a vovó e o vovô e matar a saudade!

O vídeo do momento é emocionante. Paige está de parabéns pela criatividade e como recompensa terá muitos abraços de seus queridos avós!

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Good Morning America (@goodmorningamerica) em

 

Com informações de TVTEC

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


COMPARTILHE

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Ana Carolina Conti Cenciani
Ana, 19 anos, estudante de Artes Visuais na UNESP de Bauru. Trago aqui notícias que são boas de se ler.